sexta-feira, 22 de setembro de 2017

Não Pequeis Contra Cristo


                                                     


Há na igreja dois grupos distintos de redimidos, embora ambos sejam salvos, é verdade que a maturidade espiritual, faz com que alguns alcancem um nível mais avançado de espiritualidade. Não significa que estão num nível superior, simplesmente são mais avançados. Podemos perceber esses níveis em Apocalipse 2 e 3, estudando a condição espiritual dos cristãos das sete igrejas da Asia, ou ainda comparando os Corintios com os Bereanos. Buscando responder a liberdade de consciência com relação a certos assuntos que não deveriam ser dogmáticos na igreja, mas uma simples escolha pessoal de liberdade em Cristo, Paulo em Romanos 14 lida sobre esse assunto. Em I Corintios 8:12 o apostolo também adverte :" Ora, pecando assim contra os irmãos, e ferindo a sua fraca consciência, pecais contra Cristo"(I Corintios 8:12)
 Pecamos contra Cristo quando nossas ações servem de tropeço para os irmãos mias fracos. A visão de uma unidade corporativa da igreja nunca deve ser dissolvida da nossa cosmovisão cristã. Na pratica, somos um corpo, e cada membro corresponde ao corpo de Cristo que é a eclesia. Esse princípio só é aplicado aos que verdadeiramente nasceram de novo.  A maturidade consiste em ter uma percepção de que sempre devo adaptar-me ao estilo de vida espiritual que contribua para o crescimento do outro irmão. Ser avançado, na vida espiritual é estar no lugar mais perigo da batalha, o front. Onde servimos de defesa e proteção daqueles que são mais fracos na fé. Por isso, um cristão maduro não tem nenhuma posição de status, mas de responsabilidade. A vida cristã mais avançada é aquela que possui toda a dignidade da servidão. Por isso mesmo devemos traçar a linha que divide a verdadeira humildade e a falsa. Pessoas que ganham um titulo ou obtêm certos conhecimentos teológicos mais profundos, tendem a ficar orgulhos e se considerarem superiores aos mais atrasados no campo do conhecimento espiritual. Paulo aconselha "Nada façais por contenda ou vangloria, mas por humildade; cada um considere os outros superiores  a si mesmo" (Filipenses 2:3) a maturidade nos leva ao espirito de humildade, nunca o oposto. Na vida de humildade não ferimos a consciência do irmão mais fraco, mas nos rebaixamos para ajuda-lo "a lavar seus pés", ou seja, gastamos nosso tempo em oração intercessória, aconselhamento e acima de tudo promovendo o amor e a paciência para com aquele irmão que é mais fraco. Quando lutamos contra a unidade do corpo, quando criamos um muro de orgulho, quando impomos nossa condição espiritual e exigimos que os fracos sejam iguais aos mais fortes, estamos cometendo um grande engano. Pecamos contra Cristo. Se nós conseguimos ler a bíblia três vezes ao ano, esse não deve ser um padrão aos que possuem uma dificuldade de leitura. Os que sabem muito devem ensinar os que sabem pouco, não exigir que eles carreguem um fardo de estudar muito, comprar muitos livros e se dedicarem a estudar o grego e o hebraico, pelo fato de acreditarmos que o padrão da igreja é o mais espiritual. Esse é um erro, o padrão sempre é Cristo, e o Senhor nivela as coisas, se transfigura num monte alto e desce as baixezas da servidão para lavar os pés sujos de de seus discípulos. Cristo não deixou de ser menos humano e menos divino por causa disso, ele não deixou de ser menos ungido por causa dessa atitude. Jesus assim revela que tem um equilíbrio espiritual capaz de unificar em um nível só a glorificação e  a humildade. "O temor do Senhor é a instrução da sabedoria, e precedendo a honra vai a humildade"(Provérbios 15:33)
 Trata-se de uma questão de sensibilidade e discernimento entender que um grau mais avançado de espiritualidade serve de cobertura para proteger aquele que é mais fraco, nunca para oprimi-lo. Uns acham que podem comer carne, outros acham que devem ser vegetarianos, esse era o dilema que Paulo queria apaziguar em Romanos 14. Não estou falando sobre tolerância ao pecado, pois esse é outro assunto e requer outro tipo de tratamento, mas sobre a vida espiritual de cada irmão salvo em Cristo. Uns mais avançados e outros não, cada um com a sua estrutura espiritual, e sempre devemos atentar para o fato de que o mais fraco merece sempre o apoio do mais forte, nunca a opressão. O alvo do fraco é ficar mais forte, o alvo do mais forte é se aperfeiçoar na humildade. "Com toda a humildade e mansidão, com longanimidade, suportando-vos uns aos outros em amor"(Efésios 4:2).
 Quando o homem espiritual procede de acordo com as Escrituras, ele não fere a consciência fraca do irmão, e não corre o risco de pecar contra o próprio Senhor. Através desse equilíbrio, ele faz com que os mais fracos tornem-se mais fortes, por seu exemplo e dedicação. 

Clavio J. Jacinto

Poder Espiritual


Ego e Pecado


Footer Left Content