sexta-feira, 22 de setembro de 2017

Não Pequeis Contra Cristo


                                                     


Há na igreja dois grupos distintos de redimidos, embora ambos sejam salvos, é verdade que a maturidade espiritual, faz com que alguns alcancem um nível mais avançado de espiritualidade. Não significa que estão num nível superior, simplesmente são mais avançados. Podemos perceber esses níveis em Apocalipse 2 e 3, estudando a condição espiritual dos cristãos das sete igrejas da Asia, ou ainda comparando os Corintios com os Bereanos. Buscando responder a liberdade de consciência com relação a certos assuntos que não deveriam ser dogmáticos na igreja, mas uma simples escolha pessoal de liberdade em Cristo, Paulo em Romanos 14 lida sobre esse assunto. Em I Corintios 8:12 o apostolo também adverte :" Ora, pecando assim contra os irmãos, e ferindo a sua fraca consciência, pecais contra Cristo"(I Corintios 8:12)
 Pecamos contra Cristo quando nossas ações servem de tropeço para os irmãos mias fracos. A visão de uma unidade corporativa da igreja nunca deve ser dissolvida da nossa cosmovisão cristã. Na pratica, somos um corpo, e cada membro corresponde ao corpo de Cristo que é a eclesia. Esse princípio só é aplicado aos que verdadeiramente nasceram de novo.  A maturidade consiste em ter uma percepção de que sempre devo adaptar-me ao estilo de vida espiritual que contribua para o crescimento do outro irmão. Ser avançado, na vida espiritual é estar no lugar mais perigo da batalha, o front. Onde servimos de defesa e proteção daqueles que são mais fracos na fé. Por isso, um cristão maduro não tem nenhuma posição de status, mas de responsabilidade. A vida cristã mais avançada é aquela que possui toda a dignidade da servidão. Por isso mesmo devemos traçar a linha que divide a verdadeira humildade e a falsa. Pessoas que ganham um titulo ou obtêm certos conhecimentos teológicos mais profundos, tendem a ficar orgulhos e se considerarem superiores aos mais atrasados no campo do conhecimento espiritual. Paulo aconselha "Nada façais por contenda ou vangloria, mas por humildade; cada um considere os outros superiores  a si mesmo" (Filipenses 2:3) a maturidade nos leva ao espirito de humildade, nunca o oposto. Na vida de humildade não ferimos a consciência do irmão mais fraco, mas nos rebaixamos para ajuda-lo "a lavar seus pés", ou seja, gastamos nosso tempo em oração intercessória, aconselhamento e acima de tudo promovendo o amor e a paciência para com aquele irmão que é mais fraco. Quando lutamos contra a unidade do corpo, quando criamos um muro de orgulho, quando impomos nossa condição espiritual e exigimos que os fracos sejam iguais aos mais fortes, estamos cometendo um grande engano. Pecamos contra Cristo. Se nós conseguimos ler a bíblia três vezes ao ano, esse não deve ser um padrão aos que possuem uma dificuldade de leitura. Os que sabem muito devem ensinar os que sabem pouco, não exigir que eles carreguem um fardo de estudar muito, comprar muitos livros e se dedicarem a estudar o grego e o hebraico, pelo fato de acreditarmos que o padrão da igreja é o mais espiritual. Esse é um erro, o padrão sempre é Cristo, e o Senhor nivela as coisas, se transfigura num monte alto e desce as baixezas da servidão para lavar os pés sujos de de seus discípulos. Cristo não deixou de ser menos humano e menos divino por causa disso, ele não deixou de ser menos ungido por causa dessa atitude. Jesus assim revela que tem um equilíbrio espiritual capaz de unificar em um nível só a glorificação e  a humildade. "O temor do Senhor é a instrução da sabedoria, e precedendo a honra vai a humildade"(Provérbios 15:33)
 Trata-se de uma questão de sensibilidade e discernimento entender que um grau mais avançado de espiritualidade serve de cobertura para proteger aquele que é mais fraco, nunca para oprimi-lo. Uns acham que podem comer carne, outros acham que devem ser vegetarianos, esse era o dilema que Paulo queria apaziguar em Romanos 14. Não estou falando sobre tolerância ao pecado, pois esse é outro assunto e requer outro tipo de tratamento, mas sobre a vida espiritual de cada irmão salvo em Cristo. Uns mais avançados e outros não, cada um com a sua estrutura espiritual, e sempre devemos atentar para o fato de que o mais fraco merece sempre o apoio do mais forte, nunca a opressão. O alvo do fraco é ficar mais forte, o alvo do mais forte é se aperfeiçoar na humildade. "Com toda a humildade e mansidão, com longanimidade, suportando-vos uns aos outros em amor"(Efésios 4:2).
 Quando o homem espiritual procede de acordo com as Escrituras, ele não fere a consciência fraca do irmão, e não corre o risco de pecar contra o próprio Senhor. Através desse equilíbrio, ele faz com que os mais fracos tornem-se mais fortes, por seu exemplo e dedicação. 

Clavio J. Jacinto

Poder Espiritual


Ego e Pecado


quinta-feira, 21 de setembro de 2017

Fé Verdadeira e Falsa


Realidade Espiritual e Engano


Outro Evangelho


Deficiencia do Discernimento


Amor e Sacrificio


A Vida da Ressurreição


Espiritualidade Avançada


terça-feira, 19 de setembro de 2017

O Perigo do Mundo Sobrenatural


O JUGO SUAVE DE CRISTO E OS FARDOS PESADOS DA RELIGIÃO

Uma das passagens mais conhecidas das Escrituras, é o convite de Jesus aos cansados. "Vinde a mim todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei, tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim que sou manso e humilde de coração; e encontrareis descanso para as vossas almas, porque o meu jugo é suave e o meu fardo é leve"(Mateus 11:28 a 30) é verdade que Jesus promete alivio e descanso, e afirma que seu jugo é suave. Porém nem sempre esse é a realidade em muitos lugares. Infelizmente, vejo que em muitas ramificações do cristianismo, o que se promove é um jugo praticamente insuportável. medida sobre medida, peso sobre peso, fazendo com que as pessoas sofram uma opressão terrível. Isso chama-se legalismo extremo.  Um falso evangelho. Sou um cristão conservador. porem sei que a vida cristã não deve ser nunca um pesar mas um prazer. Não um jugo pesado e insuportável, mas leve. A carga imposta sobre certos indivíduos em determinadas igrejas é um absurdo, não reflete em nada a liberdade que Cristo ofereceu. pois Ele disse "Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará"(João 8:32) mas como uma pessoa pode ser liberta vivendo debaixo de regras e mais regras, proibições e mais proibições. fardos e fardos de leis e idéias intolerantes, impostas de forma obrigatórias? O verdadeiro cristão não vive debaixo de um jugo pesado, ele vive controlado pelo Espirito Santo, e o que ele faz, faz em liberdade não em opressão e temor. A religião que escraviza é falsa, é farisaica. Não devemos colocar fardos encima das pessoas mas o evangelho. Meditar e ter prazer na lei, e não viver debaixo de um jugo intolerável com medo de receber duras disciplinas se essas regras forem quebradas. Não estou pregando antinomianismo. Creio perfeitamente que o cristão precisa ser obediente (Hebreus 5:9) creio que deve observar a perfeita de lei de Cristo, a perfeita lei da liberdade (Tiago 1:25) quando o Espirito Santo nos orienta como devemos fazer isso é liberdade, quando homens impõe e colocam fardos que oprimem, isso é tirania. Sim a bíblia diz que nós somos servos da justiça (Romanos 6:8) não estamos sem lei, mas a vida cristã nos concede um jugo suave, não uma opressão. Se você vive uma religião que impe sobre voce fardos e mais fardos pesados, de modo a viver uma vida carregando uma carga de preceitos que pesa sob todos os aspectos da sua vida, com certeza, isso não é o cristianismo. Fuja, porque voce não está num aprisco, você se encontra em um claustro. O senhor nos liberta do engano (Salmos 72:14). A vida espiritual autentica segue o caminho da santidade para produzir alegria, não para oprimir a nós mesmos e ao diabo. A opressão é uma obra puramente maligna, viver a vida com um jugo suave, é própria da vida cristã. Paulo denuncia os falsos irmãos que se intrometeram e secretamente entraram para espiar a liberdade que eles tinham em Cristo Jesus, esses falsos irmãos queriam por Paulo e outros irmãos em servidão (Galatas 2:4) toda imposição intolerante é farisaísmo. A força matriz do farisaísmo era uma enfase em regras e mais regras, de tal modo tinham uma enfase doentia no exterior, que coavam mosquitos para não engoli-los e se acharem imundo, vestiam vestes largas e davam enfase tão grande as coisas exteriores, que acreditavam que os mandamentos do velho testamento eram insuficientes, e precisavam de mais alguns (Só no Pentateuco, selecionaram 613 mandamentos) então inventavam ritos (lavar as mãos, como ato de purificação ritual) Em mateus 23 Cristo confronta o farisaísmo e o fardo que colocavam encima da pessoas. é claro que estou ciente de que não pudemos usar da liberdade que fomos chamados, para dar ocasião a carne (Galatas 5:13) Pedro também adverte "Como livres, e não tendo a liberdade por cobertura da malicia, mas como servos de Deus"(I Pedro 2:16) porém é necessário esclarecer que nenhum mandamento serve para oprimir, mas para proteger, não para colocar jugo mas para trazer alegria e paz, a vida cristã é suave, foi Cristo quem falou isso, é libertação, foi Ele quem afirmou isso, portanto não pode ser verdadeira a religião que oprime e coloca fardos e mais fardos encima das pessoas, de modo a viverem como intolerantes e orgulhosas (por se acharem superiores por causa de obervação de regras) Veja bem, o farisaísmo produzia homens orgulhosos em excessos, a religião que promove fardos pesados alem de gerar hipócritas em potencial, acabam se devorando uns aos outros através de uma fiscalização  mutua e rígida, tentando manipular a vida alheia e controlando os indivíduos, pondo-os debaixo de uma servidão extrema. Não é de admirar que entre muitos desses religiosos haja tantos escândalos?  Não importa a opinião alheia sobre o assunto, a verdade é que muitos que se dizem cristãos que conheço nunca deixaram de ser religiosos cansados, não carregam nenhum jugo suave, não levam nenhum fardo leve. Vivem impondo pesadíssimas cargas sobre si mesmos e sobre os outros, de modo a viverem uma verdadeira escravidão religiosa. Isso não é fé cristã. A vida espiritual santa não é um convite a carregar pesos, mas a desfrutar de uma vida piedosa e suave, não é uma vida de pesar, mas de prazer. Amar a lei de Deus meditar nela de noite e de dia, mas de tal forma a servir a Deus em alegria, pois todos tropeçamos em alguma coisa e precisamos da misericórdia de Deus momento apos momento (Tiago 3:1) Paulo confrontou os judeus que queria uma forma de vida debaixo do jugo da lei, toda a epístola aos Galatas aborda isso. No entanto Paulo admoesta: "Estai, pois firmes na liberdade com que Cristo nos libertou, e não torneis a colocar-vos debaixo do jugo da servidão"(Galatas 5:1) Há uma liberdade em Cristo, não é a liberdade para fazer as coisas erradas, mas para fazer as coisas certas, porém debaixo da vida controlada pelo Espirito Santo, não debaixo da imposição intolerante de uma religião exterior. Quero citar um exemplo recente. Dias atrás estive presente em uma igreja cristã, onde era abordado certo tema. Um irmão comentou que já havia algum tempo, decidiu tirar a televisão do seu lar, porque não achava conveniente ter uma, pois os programas não correspondiam a sua perspectiva espiritual. Veja nesse caso, que a operação do Espirito Santo foi visível nesse caso, sem uma imposição arbitraria, como se fosse um preceito pesado imposto sobre os ombros daquele irmão. O que fez, ele fez com o prazer, porque queria servir a Deus ocupando o tempo com coisas melhores. Entenda que a lei, mesmo na antiga aliança, aos olhos do salmista era uma fonte de alegria (Leia o Salmo 119) Cristo Jesus é nosso descanso, os que creem nele entram nesse descanso (Hebreus 4:3) Ele é nosso descanso, não nosso fardos. qualquer fardo pesado, ão procede de Cristo, não ha nenhum versículo nas escrituras que afirme que Cristo nos dê fardos pesados e jugos insuportáveis. Por favor, não estou dizendo que não temos lutas e aflições, que não devemos ser santos e separados do mundo, creio piamente na doutrina da separação como diz as Escrituras. Mas a vida cristã não é feita de uma carga pesadíssima de muitos fardos que temos que carregar, Jesus nunca ofereceu isso a ninguém, mesmo que ele convide a carregar a nossa cruz, nunca devemos separa-la da sua presença. Mesmo que saibamos que a cruz nesse contexto não significa peso, mas o sofrer por causa de Cristo. Ainda assim, Paulo ao tomar a sua cruz, disse "Sinto prazer nas fraquezas, nas injurias, nas necessidades, nas perseguições, nas angustias, por amor de Cristo, porque quando estou fraco então sou forte"(II Corintios 12:10) Cristo nos oferece descanso para as nossas almas, não peso para nosso espirito, oferece um jugo suave não uma serie de pesadas imposições para escravizar nossa vida de forma tornar-se insuportável e alienígena.

Cristo nos chama a viver em plenitude
Graça sobre graça
Nos dá a vida abundante
A paz perene
Uma verdade que nos liberta
Não uma religião que escraviza
Cristo nos dá a seiva da videira
Não o fel do farisaísmo
Nos convida a seguir após ele
Em jugo suave
Em obediência e santidade
Não em opressão, mas em verdadeiro amor.


Clavio J. Jacinto

Disponibilidade e Sacrificio


segunda-feira, 18 de setembro de 2017

Sobre Ansiedade


Coração Fechado


Vermelho Inocente


Em mar de sangue e dor sofreu
Puro e imaculado, tão santo
Na cruz padeceu
Tão bendito e inocente
Manso e corajoso
Banhado nesse vermelho inocente
Todos meus lamentos libertos lá
Nesse madeiro de vergonha e a transfusão
O preço precioso do perdão

Ai de mim se for tão ingrato
Ainda mais vil serei, 
Se não me arrepender de mim mesmo
No desdém de meus infames atos
Não converter-me, ao teu santo amor
E não calar-me de vergonha
Ao ver todas as feridas do meu Salvador


Clavio J. Jacinto

Sobre Agradar os Homens


Viver para Cristo


Cristo: O centro


sexta-feira, 15 de setembro de 2017

Caminhos e Estrelas

Há no céu muitas estrelas
Mas só a luz do sol ilumina o meu caminho

Há muitos caminhos no mundo
Mas só um que conduz ao meu lar

Há muitas flores nas montanhas
Mas o perfume, sinto a que desabrocha no meu jardim

Os mapas apontam para todos os lugares
Mas o caminho seguro é o bom conselho

A vida é feita de muitas escolhas
Mas a mais importante escolha é ter fé em Deus.

Clavio J. Jacinto

Sol da Justiça


A Chamada ao Evangelho Radical


Usurpadores da Autoridade das Escrituras.

Como uma Denominação Solapa a Autoridade das Escrituras e Torna-se Uma Seita Intolerante.


 As divisões fracionadas que o protestantismo evangélico sofre hoje, tem suas origens no pentecostalismo. Antes do advento do movimento pentecostal não havia muitas divisões, depois do advento pentecostal,  outros movimentos surgiram influenciados por ele, Os filhos manifestos, o movimento de renovação nas igrejas históricas, o neopentecostalismo, a renovação carismática, etc. Hoje vimos uma verdadeira “pulverização” do movimento evangélico carismático, há uma constelação infinita de novos grupos, seitas, denominações e ministérios criados por homens, nem sempre com boas intenções e cada vez mais distantes do cristianismo bíblico. Falo por experiência própria,  muitos lideres “fundadores” de ministérios, não entendem praticamente nada de teologia, não conhecem nem mesmo as doutrinas básicas da fé cristã, não conseguem fazer nem mesmo uma boa exegese dos textos mais simples da bíblia. Alguns são verdadeiros coronéis e na pior dos modelos ditadores. Isso é ruim, é uma lastima, para não dizer uma vergonha. Eu também me envolvi com muitos movimentos ditos “evangélicos carismáticos” as experiências não são nada  agradáveis. Não afirmo isso com alegria, mas com muita tristeza no coração. A minha desconfiança veio a partir da leitura de bons livros e um estudo mais perspicaz das sagradas Escrituras e do cristianismo histórico, livros como “A Sedução do Cristianismo e Escapando da Sedução” de Dave Hunt, De alguma forma esses livros trouxeram uma desconfiança para com o mundo evangélico carismático atual e seus clichês espirituais e suas manias religiosas. Logo em seguida, “Cristianismo em Crise” de Hank Hanegraaff, também ajudou a nutrir essa desconfiança.
Rever conceitos, refletir, pesquisar e estudar as Escrituras sempre foram caminhos que trilhei com dedicação. Mesmo sem muito apoio,  sempre prossegui de forma independente. O que aprendi desejo compartilhar para ajudar e esclarecer alguns. Grande parte das “denominações” e “ministérios” que conheci, solapam a autoridade das escrituras de forma clara e aberta, mesmo que seus lideres não percebam isto e as pessoas envolvidas não percebam tal coisa. A falta de discernimento hoje é muito grande, lideres são “divinizados” e não podem ser questionados. O mundo evangélico carismático está cheio de  “micro-papas”, possuem os mesmos atributos dos apóstolos da Nova Reforma Apostólica, contato direto com o céu e recebem suas revelações direto  do “trono da graça”. A bíblia é a autoridade final  em questões de fé e pratica de uma verdadeira igreja. Por favor, se deixarmos os absolutos das Escrituras, entraremos no campo minado do subjetivismo e do relativismo espiritual. Sem um leme que nos direcione, qualquer sentido pode ser  do ponto de vista humano, um caminho certo. (Provérbios 14:12)Sem um prumo que padronize e  determine a vida cristã, cairemos em serias armadilhas e haverá sérios desvios da sã doutrina e da coerência, para a cegueira espiritual e para o fanatismo.
Em 1978, vários lideres cristãos nos EUA se reuniram com o propósito de defenderem a autoridade das Escrituras, desse movimento surgiu a “Declaração de Chicago Sobre Entrância Bíblica”  esse documento é um manifesto contra o liberalismo teológico, seu texto vai além, pois o reconhecimento das Escrituras como autoridade final é uma questão crucial para determinar a legitimidade de uma igreja evangélica. A grande maioria dos movimentos evangélicos modernos desvia-se completamente disso. Um dos problemas mais sérios é a invenção de escritos documentais anexados a certos movimentos sectários  esses documentos tornam-se em pé de igualdade com as Escrituras, ou até acima das escrituras. Um exemplo claro é o RI (Regimento Interno) de algumas igrejas cristãs. O RI é tão altissonante, que quebrar as regras contidas nele é tão severo quanto um crime hediondo, mas se o pecado praticado estiver fora dele (mas dentro da bíblia) é praticamente ignorado. O RI é a autoridade maior do que a bíblia, e, aliás, se os princípios já estão nas Escrituras, então porque um RI?  Segue um exemplo, uma igreja “ultraconservadora” registra no seu RI que uma mulher não deve usar saias com fendas. Se o RI for transgredido, o transgressor é punido, mesmo que,  o que a bíblia ensina é que  a mulher se vista com pudor (I Timóteo 2:9) e esse deve ser o padrão bíblico: com pudor, uma mulher pode vestir-se com pudor como determina a bíblia, mas se o RI determina algo a mais, então o RI determina o que é certo e o que é errado, solapa a autoridade das Escrituras e torna-se um acréscimo a elas. O que não apenas é um erro, mas pecado. Mas o problema não termina ai. O RI é um verdadeiro promotor de hipocrisia e de injustiça. Porque os Ris contem tantas regras de punição sobre coisas exteriores, e deixa de fora qualquer punição para pecados interiores, como inveja, luxuria, orgulho. Porque não há punição para falsos profetas (o movimento pente-carismatico está cheio deles) ou para murmuração, mentiras,  ódio, rancor, etc.? Porque certos pecados são punidos e outros omissos? Certo RI pode conter a regra simples de que a mulher não deve usar “botas de franjas” a transgressão segue a punição (Disciplina). O argumento é que isso é mundano, sejamos sinceros, o tipo de hierarquia que muitos pentecostais carismáticos sustentam é puro mundanismo e isso está claramente  descrito por Jesus Cristo  em Mateus 20:25 e 26. Seus lideres imitam os príncipes desse mundo, liderando de forma condenada por Cristo. E agora?. Sim o RI  determina o que é errado, não a bíblia. Conheço gente que vive a regra de um RI, mas compra e não paga, é transgressor, porque acima de tudo é infiel aos contratos. (Romanos 1:31)  e transgride o ensino de Cristo do sim, sim e do não. Porque tais coisas acontecem? Porque regimentos internos estão acima da bíblia, devem ser tomados ao pé da letra, já as transgressões bíblicas devem ser ignoradas e levadas para “debaixo do tapete” eu mesmo vi com meus próprios olhos como essas coisas são tratadas.  Vi como certos indivíduos conseguem cometer pecados sérios como jogar um irmão contra o outro e promover partidarismo dentro das congregações e ficar completamente impune, porque não havia tal coisa no RI e a bíblia? Era apenas fachada, nunca autoridade final em questões de fé, pratica, doutrina e disciplina. Isso é um pecado grave! Compromete todo o sistema. As seitas fazem isso, além da bíblia precisa existir outra autoridade, um acréscimo em detrimento a uma suficiência. Isso é um erro, um erro muito grave que vai custar a eternidade de muitas almas. Fuja de igrejas que colocam documentos humanos, revelações, visões extrabiblicas acima das escrituras, elas são caminhos de erro. Fuja de igrejas cujo seus lideres são manipuladores, que usam de documentos extra-biblicos para promover terrorismo psicológico e desviar as almas do evangelho. Tais lideres pretendem ser intocáveis, podem passar por cima da autoridade das Escrituras, pisar seus preceitos, pois se acham infalíveis  quando assumem púlpitos, crêem esses ditadores religiosos serem  dotados de uma “unção especial”,  verdadeiros césares religiosos, possuídos pela pompa do orgulho de sustentarem títulos pomposos que os colocam acima da humanidade comum: os “leigos”. Quando na verdade o Novo Testamento ensina o sacerdócio universal de  todos os santos  (temas que tais não gostam de pregar)
Por incrível que pareça, Regimentos internos tornam-se, em algumas igrejas, a  autoridade suprema para classificar pecadinhos e pecadões. Não a bíblia, mas um documento extra, determina o que se pode fazer ou não. Se um RI é baseado na bíblia, então que necessidade tem? Se a bíblia já define o que é certo e o que é errado? Ora, usando um RI para controlar pessoas, uma igreja acaba cometendo o delito de usar dois pessoas e duas medidas. Pune alguém por  desrespeitar o Regimento Interno, mas não pune com  mesma medida se outra pessoa quebra um princípio que está na bíblia mas não está no RI. Uma mentira pode ser classificada como um pecadinho, a inveja segue essa mesma regra de classificação. Outros precisam ser punidos. Havia uma época que ouvir radio era pecado, quem dizia isso? O regimento interno e não a bíblia. Pessoas eram punidas por quebrarem as regras do RI, porque ele era a autoridade final em questões de fé e pratica. Esse problema é antigo, Jesus repreende severamente os fariseus por colocarem suas tradições em pé de igualdade ou acima das Escrituras (Mateus 15:6) Eu não estou dizendo que um regimento interno é algo errado, não! Mas é um erro grave, digo gravíssimo, colocar um RI ou qualquer documento em pé de igualdade com a  bíblia ou uma autoridade maior do que a bíblia. Eu já fui testemunha ocular, vi certos lideres ignorarem completamente um mandamento bíblico, e imporem pesadas disciplinas em quem desobedecia a uma regra do RI. Porque isso ocorre, porque esses acréscimos a palavra de Deus?  É porque a Bíblia não é suficiente e nem mesmo a autoridade final. A bíblia condena tal coisa (Veja Apocalipse 22:18) Um acréscimo á bíblia é um pecado grave. Usurpara a autoridade das Escrituras é um pecado grave. Por isso mesmo deveríamos estar bem atentos ao que ocorre em certas igrejas, quando ocorrem revelações extra-biblicas que ultrapassam os limites do Canon sagrado ou são acrescentados documentos e livros que ficam em pé de igualdade com a bíblia sagrada. Essa é a forma das seitas mais severas atuarem nesse mundo. A crença na insuficiência das Escrituras é um modo de crer que o Espírito santo não fez uma obra perfeita ao inspirar os 66 livros, nem foi competente para inspirar os escritores bíblicos a colocarem todas as informações necessárias para o bom andamento da igreja e de todos os cristãos. A gravidade de tal idéia torna-se muito perigosa, tão ridícula e perniciosa, que muitas pessoas cegas, acabam acreditando que seguir religiosamente um regimento interno é a única maneira de se salvar.  É a única maneira de provar ser um verdadeiro salvo. Assim crêem de tal forma, que certos grupos acreditam que os que não seguem as normas denominacionais de sua denominação, contida no RI que defendem com unhas e dentes de forma camuflada, não são salvos. Vi fatos horríveis, candidatos ao batismo, são confrontados com o Regimento Interno, devem obedecer a eles, não a bíblia. Aos candidatos de certos grupos é apresentado as normas do RI, e não as Sagradas Escrituras. É dessa forma que vimos como se abre o caminho para a mais tenebrosa hipocrisia. É correto crer que sendo toda a Escritura inspirada por Deus (II Timóteo 3:16) todas as escrituras precisam ser observadas e não alguns regulamentos. É um erro dar uma ênfase a certos princípios bíblicos e ignorar outros. Trata-se de outro evangelho que produz pseudo- cristãos. A bíblia no seu todo “Toda a Escritura” e não somente uma meia dúzia de preceitos. Eu poderia citar um numero enorme de deveres e mandamentos que são importantíssimos e não se leva em consideração hoje, porque a maioria deles são de ordem interior. Mas olhe bem, um estudo de Mateus 23 mostra como os hipócritas fariseus davam uma ênfase doentia ao exterior e nem se preocupavam com o interior, inventaram rituais para observação religiosa que os fazia distinguir entre os demais. Eram verdadeiros sepulcros caiados. Eu sinceramente nunca vi lideres disciplinando ou exigindo disciplina para membros que quebrassem certos mandamentos ou cometessem certos pecados como “Olhar para uma mulher com intenção impura”(Mateus 5:28) ansiedade (Mateus 6:25 a 36) não perdoar o próximo (Mateus 6:14) não cumprimentar os que não professam a mesma fé ((Mateus 5:47) a lista pode torna-se quase infinita.  Isso é só um exemplo claro, de que a bíblia por via das regras não é nada mais do que fachada, e se existe punição disciplinar quando o RI é quebrado, mas não se aplica o mesmo quando os mandamentos e preceitos da bíblia são quebrados, o que fica exposto é que o RI é mais autoritário do que a bíblia, e os mandamentos de homens sobressaem sob mandamentos de Deus, (Muitos preceitos em Regimentos internos de igrejas legalistas, são doutrinas de homens, você não encontra certas proibições na bíblia, somente em RIs)não é de admirar que eu tenha encontrado um numero muito grande de hipócritas, falsos cristãos e gente que consegue sustentar duas caras em certos movimentos dito “conservadores”. É com grande tristeza que afirmo isso. Eu não estou me colocando ao lado de qualquer tipo de liberalismo teológico, doutrinário ou seja o que for. Sou um conservador, sou fundamentalista cristão, não tenho medo de afirmar isso. Creio na suficiência das Escrituras e em cada regra, respeitando o contexto em que deve ser aplicado. Creio na inerrancia das Escrituras, creio que Jesus Cristo veio em carne, creio na inspiração plena das Escrituras, creio na morte substitutiva de Cristo, creio na ressurreição literal, creio na ascensão física e no retorno triunfante de Cristo, acima de tudo creio que Cristo deu mandamentos aos seus seguidores (Atos 1:2) agora por favor, acrescentar algo as escrituras é um erro, a bíblia e somente a bíblia deve ser nossa bussola ético espiritual (Isaias 8:20).  Quem faz acréscimos a palavra de Deus e coloca esses acréscimos em pé de igualdade ou acima das Escrituras é mentiroso,  e o Mentiroso não tem parte com Deus, à origem da mentira é o diabo e não Cristo (João 8:44) leia a advertência de provérbios: “Toda a Palavra de Deus é pura, escudo para os que confiam nele. Nada acrescentes as suas palavras, para que não te repreendas e sejas achado mentiroso” (Provérbios 30:5)
No prefacio da declaração de Chicago da Inerrancia Bíblica
A autoridade das Escrituras é um tema chave para a igreja cristã, tanto desta quanto de qualquer outra época. Aqueles que professam fé em Jesus Cristo como Senhor e Salvador são chamados a demonstrar a realidade de seu discipulado cristão mediante obediência humilde e fiel à Palavra escrita de Deus. Afastar-se das Escrituras, tanto em questões de fé quanto em questões de conduta, é deslealdade para com nosso Mestre. Para que haja uma compreensão plena e uma confissão correta da autoridade das Sagradas Escrituras é essencial um reconhecimento da sua total veracidade e confiabilidade.
O ultimo artigo da declaração termina com essas palavras:
Artigo XIX
Afirmamos que uma confissão da autoridade, infalibilidade e inerrância plenas das Escrituras são vitais para uma correta compreensão da totalidade da fé cristã. Afirmamos ainda mais que tal confissão deve conduzir a uma conformidade cada vez maior à imagem de Cristo.
Negamos que tal confissão seja necessária para a salvação. Contudo, negamos ainda mais que se possa rejeitar a inerrância sem graves conseqüências, quer para o indivíduo quer para a Igreja.

 Embora o propósito da Declaração de Chicago não seja exatamente o problema exposto aqui, é bom ressaltar que de certa forma eu vejo como muitos acréscimos ao Canon histórico da Bíblia comprometem a pureza da fé cristã, e subornam a autoridade que só pertencem a ela. Que os olhos do nosso  entendimento estejam abertos para nos desviarmos de tal maldade

Clavio J. Jacinto

quinta-feira, 14 de setembro de 2017

FLAGRUM





Um eco na carne santa
Um rasgo na alma pura
A dor que dilacera o corpo
O vil terror dos meus pecados

Um açoite que devora a doçura
Uma trincheira aberta no coração
A agonia das feridas abertas
A Fome de meus pecados vorazes

Um atrito na face inocente
O acido de todas as tribulações
A matriz de todas pérfidas aflições
Meus indignos pecados

O flagrum rasga os lamentos
Gemidos afogados num oceano
As mãos eram dos carrascos
Mas o crime eram os meus pecados

Clavio J. Jacinto


quarta-feira, 13 de setembro de 2017

Apostasia e Engano


A Hora da Tentação que há de Vir Sobre Todo o Mundo

                                      (Apocalipse 3:10)

Deus nunca poupou uma geração incrédula que se rebela contra a sua bondade. Há um processo de decadência que culmina em juízo sempre. Há uma medida de iniquidade que quando transborda, traz o juízo. Assim foi na época de Noé, assim foi com Sodoma e Gomorra, assim foi durante o cerco de Jerusalém no ano 70, assim tem sido sempre. Há uma lei inexorável, de natureza permanente: tudo o que o homem semear, isso também ele colherá.   Nossa geração vomita a iniquidade depois que come do próprio pecado, estão enchendo a medida do cálice das abominações, como no antigo testamento, a medida da injustiça dos amorreus estava se enchendo (Gênesis 15:16) Assim Cristo também advertia os fariseus hipócritas sobre suas ações malignas "Enchei vós pois, a medida de vossos pais"(Mateus 23:32). Cristo fala da grande provação que virá sobre este mundo. No original a palavra grega peirasai, denota um teste, uma prova, e é bem possível que esteja associada com o sermão profético do Salvador que fala sobre uma grande tribulação, a qual nunca houve sobre esse mundo (Mateus 24:21) essa sociedade passará por uma trituração, o sistema corrompido quer viver independente de Deus, então abrirá as portas para o anticristo. O diabo tomará por um breve tempo, um controle aterrador sobre esse mundo. A pecaminosidade é uma "consagração" ao diabo. Satanás aceita os sacrifícios subjetivos, rotulados pela ciência de aborto, eutanásia etc. As rotulações conseguem despistar o verdadeiros intentos do homem e do diabo também. O mundo rejeita Cristo, é inimigo de Cristo, então sofrerá a amargura de sua escolha involuntária ou não.
Virá a aflição sobre este mundo, as comportas das trevas se abrirão, os abismos soltarão as ânsias de iniquidade, o inferno marcará toda uma geração com seus mais tenebrosos terrores, e porque? porque há uma escolha, e o mundo já escolheu,  rejeitou a Deus quando Cristo , o Filho unigênito foi crucificado.
O cerne da questão é que a nossa sociedade,  mesmo nos parâmetros da religião leva essa marca distinta: "desobedientes a verdade e obedientes a iniquidade"(Romanos 2:8) A secularização do sagrado e a incredulidade institucional são dois braços que trabalham para erguer o império humanista. O homem  acredita ser o centro, e sua opinião passa ser a luz pelo qual ele deve trilhar nos passos existenciais.  Há um fundamento espiritual perene, toda a transgressão do sagrado é uma afronta a Deus, toda desobediência a lei de Deus é uma desonra a Ele (Romanos 2:23) E a hora da provação virá. Satanás usará seus tentáculos e  afligirá o mundo, e a rebelião do mundo será o sustento do espirito de iniquidade. No fundo do coração, h´aquele lampejo de fé que morre com as circunstancias. O veneno do ceticismo não consegue aniquilar essa faísca no coração humano, mas consegue o diabo desviar. Não vejo outra explicação para tentar entender porque certos homens cultos rejeitam completamente a existência de Deus, porque acreditam não existir evidencias para isso e ao mesmo tempo aguardam a chegada de alienígenas de outros planetas, pelo qual nunca há qualquer certeza de que haja de fato um planeta habitado em nosso universo. 
A perda do senso do sagrado e a sua diminuição aplicada a família, casamento, a vida e a moral gera uma sociedade de relativistas fracassados, tais tornam-se "Entenebrecidos no entendimento, separados da vida de Deus, pela ignorância que ha neles, pela dureza do coração"(Efesios 4:18) A remoção dos marcos que estabeleceram a família tradicional, a inversão dos valores éticos fundamentais e a perda de liberdade de crença e expressão estão minando as bases da verdadeira democracia.  O curso maligno desse mundo é sorver seu próprio cálice de abominações, quanto mais perversa for as ações de uma civilização, maior será a condenação que sofrerá. Sua queda e o juízo virá e a hora da tentação que cairá sobre esse mundo, os servos da corrupção serão desafiados a sustentarem o inferno que atraíram por suas obras más. Se a semeadura foi prazerosa por causa do vil pecado, o sofrimento agonizante do juízo será o fruto amargo de terão que comer. Mas deixe-me dizer, haverá uns poucos que ainda sustentarão a fé santíssima, são os guardiães da sã doutrina, aqueles que ainda guardaram a palavra da paciência do nosso Deus "Como guardaste a palavra da minha paciência, também eu te guardarei da hora da tentação que há de vir sobre todo o mundo, para tentar os que habitam a terra"(Apocalipse 3:10) aqueles que brilham com a glória do verdadeiro evangelho, estarão seguros, não amaram as suas vida até a morte, o resplendor do sacrifício perfeito de Cristo é o sustento da verdadeira esperança, estaremos seguros "Porque sobre toda a glória haverá proteção"(Isaias 4:5)

Clavio J. Jacinto

Regeneração...


terça-feira, 12 de setembro de 2017

Não Deter a Verdade em Injustiça

 Paulo faz uma dura acusação ao presente seculo mal quando escreveu: "Porque do céu se manifesta a ira de Deus sobre toda a impiedade e injustiça dos homens, que detem a verdade em injustiça."(Romanos 1:18). Considero ser esse presente seculo extremamente maligno( Filipenses 2:15 ) O deus desse seculo cegou os incredulos (II Corintios 4:4) o mundo por esse motivo, jaz no maligno.
Nosso século mal e perverso está em guerra contra os santos do altíssimo. Você é um deles? então você está em guerra! Cada vez que as leis de Deus são quebradas, o exercito do Senhor é ofendido, cada blasfêmia e cada ato de rebelião que pulsa nesse mundo corrompido, é uma afronta contra o povo de Deus, os homens regenerados.  A verdade é que hoje um golias se levanta contra um pequeno Davi, esse golias é o mundo secular e relativista e o pequeno Davi é um grupo de remanescentes fieis, verdadeiros cristãos bíblicos, que não são pragmáticos nem relativistas, nem experienciais (Os experienciais, são os que vivem de acordo com experiencias e as colocam como regra e autoridade em questões teológicas espirituais, revelações extrabíblicas, opiniões não aceitam a bíblia como autoridade final, suficiente, inerrante e eficiente e a inspiração plenária) o cristão bíblico vive por fé e não por sentimentos ou por vista.
Nosso mundo está construindo os pilares que desabarão sobre o sistema que tanto idolatram, o mundo está cavando seu próprio fosso, fala-se muito hoje sobre um Deus de amor, mas a ira de Deus se manifesta sobre um sistema impio e o condenará. Esse Golias, parece gigante, afronta a igreja, afronta os valores judaicos cristãos, afronta a vida, afronta a justiça divina, afronta o próprio Deus. Paulo nos admoesta: "Ensinando-nos que, renunciando a impiedade e as concupiscências mundanas, vivamos neste presente seculo sóbria, e justa, e piamente"(Tito 2:12). O remanescente estão com os olhos abertos. Sabem que esse sistema decretará a própria falência, sofrerá os duros juízos de Deus. Não ficarão impunes os que advogam a causa da cultura da morte, não serão inocentes os que transgridem a lei de Deus e impõem seus valores relativistas e promovem uma cultura abominável, sensual, erótica, blasfema, pragmática e libertina. Não serão poupadas as pseudo-religiões travestidas com alguns ornamentos de cristianismo, mas extremamente corrupta no interior, sendo mercantilista, mundana, egocêntrica, orgulhosa e materialista. Essa não é a noiva de Cristo, mas é uma prostituta espiritual que dança ao frenesi religioso para produzir um espetáculo que impressiona os mundanos mas entristece os santos.
O mundo quer deter a verdade em injustiça, de uma maneira ou outra, esse sistema que matou Cristo quer perseguir a igreja e o fará quando tiver a oportunidade, porque as armas eles sempre tiveram, o mundo tem sempre os recursos necessários para perseguir a igreja, nem sempre a igreja esta preparada para os ataques, a maior parte da igreja ocidental usufrui de uma liberdade que a leva para uma dormência, trata-se de uma situação muito perigosa, santos não podem descansar no mundo, santos precisam combater contra o mundo.
 Essa geração não é apenas uma geração incrédula, é acima de tudo uma geração possessa, possuída está nossa sociedade por um espirito anticristão. Não se enganem. Tudo o que experimentamos em termos de liberdade e crescimento é uma ilusão, o espirito do anticristo desde cedo atua no mundo, se existe alguma trégua na batalha, essa trégua tem sido feita pelos cristãos, o inimigo nunca deixou de lutar por seus ideias de alcançar seus intentos. Por isso nossa cultura é uma cultura de morte, ele apenas respeitou a sensibilidade do progresso, substitui suas estrategias para adaptar-se ao politicamente correto, se não há mais como instigar os pais a sacrificarem filhos a moloque, então algo mais sutil foi desenvolvido, e de forma bem mais sinistra nos resultados: milhões de crianças inocentes em forma de fetos são destruídas pela pratica do aborto. Sim, é verdade, desde os tempos antigos, a forma de contato com espíritos era feita de forma mais inferior, prostituição cultual, êxtases provocados por consumo de drogas, a vida pagã era, de certa forma, mais indecente que o mundo atual, porem hoje basta profissionalizar a prostituição e legalizar a pornografia, basta legalizar certos tipos de drogas ou promover uma industria farmacêutica que possa distribuir uma variante de entorpecentes para um mundo carregado de pessoas que sofrem de depressão e transtornos psicológicos.  O casamento tradicional sofre duros ataques frontal, e pela porta dos fundos. Frontal, porque de forma descarada a instituição sagrada é atacada por ideologias que são defendidas por muitos militantes do inimigo e por propagandas que infestam a literatura, a cultura secular, o cinema e a televisão e , pelas portas do fundo porque a pornografia agora é mais acessível do que nunca, e tem contribuído para a promoção massiva do divorcio e do adultério, além de propagar as mais infames formas de sensualidade abominável,  de fato, é preciso que tenhamos nossos olhos abertos. Não podemos cruzar os braços e viver num mundo de faz de contas. A guerra é real e a nossa família é um alvo muito desejado pelas hordas do inferno. Deus está indignado com essa geração, e porque está? porque erram em seus próprios corações e não conhecem o caminho (Hebreus 3:10) mas pelo mesmo motivo, o Senhor está indignado com a religião cristã da maioria, porque essa religião se conforma com esse seculo, esse presente seculo do maligno, amam o mundo, querem compartilhar de uma amor infiel. A infidelidade é a marca mais visível dessa geração, queremos dividir o nosso amor entre Deuse o mundo. por isso vimos num simples exemplo, que não devemos mais cantar a mensagem da cruz, ela não é popular e não é comercial, a cruz não incita a balada, mas a reflexão. Da mesma forma a pregação não pode ser centrada na mensagem da cruz, não podemos falar sobre temas concretos como o negar-se a si mesmo e carregar cada dia a sua cruz. tal mensagem não arranca aplausos. Querem os homens de hoje ouvir que são especiais e não pecadores, isso é conveniência pura, pois os pregadores modernos temem mais a reprovação dos homens do que a reprovação de Deus, e possuem um medo mortal de serem perseguidos por causa da verdade, mas não temem o juízo, e não conhecem as Escrituras que dizem: Horrenda coisa é cair nas mãos do Deus vivo. Sim! até nosso meio de evangelizar parece estar promovendo meias verdades. Falamos sobre o amor de Deus, e isso é importante, porém não podemos ferir a ideologia do  humanismo, podemos convidar as pessoas a crerem em cristo, e deixamos a outra metade da verdade, porque ela é inconveniente para essa geração "Aquele que não crê no Filho de Deus, não verá a vida, mas a ira de Deus sobre ele permanece" (João 3:36) quem quer pregar isso em meio a multidão avida por milagres e sem qualquer disponibilidade para ouvir sobre santidade? Achamos que a ofensa produzida por uma verdade cristã. Sim essa geração perversa está debaixo do juízo de Deus, e paulo adverte sobre isso "Ninguem vos engane com palavras vãs, porque por estas coisas vem a ira de Deus sobre os filhos da desobediência"(Efésios 5:6) querem dispor de uma teologia que neguem esses fatos? querem negar os fatos que negam a verdadeira teologia? deixem que façam, satanás cegou o entendimento dessa geração. Pois já está decretado "pelas quais coisas vem a ira de Deus sobre os filhos da desobediência"(Colossenses 3:6) haverá um grande lagar da ira de Deus (Apocalipse 14:19) e os impios dessa geração tão obscura irão sofrer com o amargo juízo.
 O mundo detêm a verdade em injustiça, esse presente seculo mal também! o espirito oposto a verdade influencia esse sistema falido, a famigerada concupiscência da condição humana cava seu próprio abismo. é inacreditável, que seja com tanta avidez, se Deus entrega a humanidade as suas paixões, a velocidade desenfreada ao abismo é enorme. Nada pode ser mais terrível do que uma ação divina dessa natureza. Quando Deus entrega o controle do mundo aos prazeres dos mundanos, então teremos um abismo chamando outro abismo, é necessário que se clame agora, que os remanescentes tomem, não uma pedra mas um Rocha para jogar nesse Golias. Devemos clamar pela vinda de Cristo, só Ele para dar cabo a todo esse sistema operacional diabólico. Não há outra saída, ou clamamos por Cristo para vencer a guerra, ou teremos que sofrer uma nova poda. Ou clamamos bem alto, maranata! ou teremos que fortalecer nossos joelhos desconjuntados para firma-los em um lugar secreto de oração para receber socorro enquanto a ira de Deus se derrama sobre o mundo.
Uma guerra não se vence com diversão, uma guerra se vence com luta. Sem consciência de que há uma guerra e um perigo a frente, não haverá preparo adequado para uma batalha eficaz. A fantasia religiosa do entretenimento aniquila a inspiração de guerreiro. o apego aos bens terrenos afeta nossa visão do mundo. Como os puritanos precisamos rever nossa visão, precisamos nos desprender do mundo e aniquilar as nossas vaidades. Em tempo de guerra, não se usa maquiagem mas armadura.  Precisamos nos alicerçar na Palavra de Deus, mergulhar na sacralidade da sã doutrina. "E eles o venceram pelo sangue do Cordeiro e pela palavra do seu testemunho; e não amaram as suas vidas até amorte"(Apocalipse 12:11)

Coragem Para Ser Verdadeiro Cristão


sábado, 9 de setembro de 2017

Gemidos inexprimíveis o que são?




Romanos 8:26 Paulo ensina que o Espírito Santo ajuda nas nossas fraquezas e Ele intercede por nós com gemidos inexprimíveis.  No grego, stenagnois alaletois.  Stenagnois é traduzido por “gemido” e os lexicógrafos explicam que se trata de emoções profundas que não podem ser enunciadas, é um gemido, não se trata de um idioma, de uma linguagem (No grego é usado Glossa e dialektos quando se trata de idiomas) mas de um proceder do Espírito santo, não do cristão, para Deus ouvir e não para a igreja ouvir. Todo o contexto de Romanos 8 fala da vida no Espírito. Assim entendemos que o Espírito Santo suspira e geme perante Deus por nós. Stenagnois também ocorre em Mateus 7:34 de Atos, ali era o povo de Israel debaixo do jugo da escravidão no Egito que gemia. Por isso mesmo não podemos interpretar como se fosse a manifestação de “línguas estranhas” porque o contexto mesmo nem sequer trata disso. Esse gemido inexprimível seria uma agonia, como de Ana, quando suplicava perante o Senhor por um filho, não  é a manifestação do nosso espírito, nem mesmo é a ação de um cristão, mas do Espirito Santo. É Ele quem geme, diante de Deus e não diante dos homens. O propósito dessa intercessão profunda, é ajudar em nossas fraquezas em momentos cruciantes. Não somos nós que gememos, essa é uma ação do consolador. O Espirito Santo que ficará conosco para sempre, e que geme em nossas fraquezas, nos momentos de dificuldades. Gemido não é a pronunciação de palavras, não se trata de falar algo em êxtase ou coisa parecida, porque nem sequer é um sentimento nosso, mas do Consolador prometido, não é uma agonia nossa, mas do Espirito de Cristo. Entender isso é importante, pois de outra forma, surgem interpretações errôneas. Em outras passagens, o Espírito Santo Falou aos cristãos, por exemplo em Atos 8:29 falou Ele a Felipe, não através de Felipe, mas para Felipe. Em Romanos 8:26 esse gemido intercessório não  é através de nós, mas por nós. Esse gemido do Consolador é dirigido a Deus e não a outra pessoa. Esse é o sentido normal de Romanos 8:26.

CLAVIO J. JACINTO

sexta-feira, 8 de setembro de 2017

Livro Gratis de Charles Spurgeon

Livro de Charles Spurgeon: Tudo de Graça, em formato PDF, faça o download em:
http://monergismo.com/wp-content/uploads/Spurgeon_Tudo_de_Graca_Port.pdf

As Flores e Plantas de Israel

A Flora de Israel, flores e plantas, imagens e dados cientificos, pagina muito interessante, acesse:
http://www.flowersinisrael.com

Ziziphus Spina Christi

Ziziphus Spina Christi

Perfurado a vida dolorosa desse mundo pobre
Cheio de rebeldes almas num vale de sombras angustias
Desce em degraus de tormentos, um santo
No paladar do amargo fel, Ele bebe
De todas as taças onde escoam nossas escórias.

Fardo a fronte de quem pregava o amor
Do rosto que sustentava a visão de todas  as misericórdias
Do berço a estrebaria, o feno e a palha fria
Uma coroa de opróbrio esfacelava a honra
A semente da injuria cravada na região frontal

Agulhas ímpias cravadas na carne
Imergem num batismo de violentas aflições
No rebaixamento de Rei eterno a mortal flagelado
Na face inundada  de saliva de seus carrascos
Levou consigo, meu atroz silencio e meus gritos vorazes

Rasgada a noite de todas as trevas
Oceano de escuridão que cobre tão insana infâmia
Uma coroa cravada em meu Rei
Consome toda a honra e devasta todo o respeito
Era eu quem devia estar lá.

Que cena cruel naquele tormento Calvário
As rosas se envergonham, por causa de seus espinhos
Num réu inocente, cravaram uma brutal coroa
Em honra de quem ia conquistar o império da morte
Depois de três dias, no repouso de uma brutal batalha

Os espinhos cruéis como rudes fios de navalhas
Um ardor da alma que a paixão derramou
Foi o Rei da nossa vergonha ao silencio do tumulo da terra
Depois das trevas a aurora eterna iluminou
Coroa de honra, pra ELE, que do pecado venceu a feroz guerra

Clavio J. Jacinto


quarta-feira, 6 de setembro de 2017

Xylon Didymon


                                  Xylon Didymon


Das correntes do pecado fostes arrastado
Em tronco cruel, as áspides de minhas iniquidades
Açoitaram teu amplo coração
Como chuvas de fel, oceano de absinto
Meus ignóbeis pecados

Os açoites tocam uma opera de horror
dilaceram até carcomer a face pura do Salvador
As estrelas choram e as flores murcham
O madeiro pulsa a destruição de todos os calices
Como um eco do bramido de todos os medos

Sustenta o patíbulo a orla das dores
A ferocidade de todos os escárnios
Desdenham de um rei vestido de sangue
Um bendito num lugar maldito
Ele, na paciência de um cordeiro manso

E eu apenas contemplo em santo silencio
No castelo insipido de minha consciencia
Pensando na graça divina no seu coração
Pois de outra forma. padeceria tão dura condenação
Entre os mais infiéis da terra.

Num madeiro tomaste os meus anatemas
Levastes consigo minhas ações execraveis
Por amor e somente amor, suportastes
A grave condenação que selava meu pobre destino
Estou  ciente, não sou merecedor de tua misericórdia

Apenas em meu coração 
Deixo crescer dia após dia, aquela virtude humilde
Que fortalece a alma e o coração
Para que do agora a até a eternidade
A gratidão nunca se apague dentro de mim...


Clavio J. Jacinto

terça-feira, 5 de setembro de 2017

Discernimento e Pecado


O pecado é iniquidade (I João 3:4)

 Pecado é transgressão da lei, é um ato mental ou físico, mas sua essência é a rebelião contra a ordem e a vontade de Deus. Nunca podemos minimizar o significado da gravidade do pecado. Devemos olhar sob uma ótica certa: a expiação que Cristo realizou na cruz do Calvário.  A Gravidade do pecado é penalidade da cruz, por isso quanto mais correta for nossa compreensão da gravidade do pecado, mais compreenderemos a seriedade da expiação, e quanto mais compreendemos a seriedade da cruz, mas compreenderemos a seriedade do pecado. Essa é a norma básica do discernimento sobre a natureza e os efeitos de pecado: a Cruz. O pecado não consiste em errar a direção, tal coisa é supérflua. Pode explicar alguma coisa sobre a natureza do pecado, mas não a profundidade da sua gravidade. Só o sacrifício cruente de Cristo, naquele madeiro maldito pode abrir nosso coração para uma compreensão mais séria sobre o pecado. Mias do que errar o alvo, pecar é erra em todas as direções. é quebrar um elo que prende a harmonia santa da lei de Deus, é uma anomalia. Quando somos tentado a pecar, isso pode ser obra de um demônio, mas quando pecamos, podemos possuir toda a natureza antiética de um deles. Essa é a descrição de Peter Kreeft,  No livro "Como Vencer a Guerra Cultural" Kreeft  argumenta : "Há um pesadelo ainda mais terrível do que ser perseguido pelo demônio ou do que ser capturado pelo demônio ou ainda do que ser torturado pelo demônio. Este pesadelo é o tornar-se um demônio. O horror que está fora da sua alma já ´suficientemente terrível, mas não é tão terrível quanto o horror que está dentro dela"
 O problema da sedução ao pecado, é que a natureza da tentação é prazerosa, há uma certa sublimidade sutil no pecado. Nossos instintos e paixões possuem uma força de vontade fora do comum. Isso é próprio da natureza do homem adâmico. A concupiscência dos olhos, da carne e a soberba da vida. Essas coisas funcionam com força dentro do nosso amago. São potencias geradoras de iniquidades, ao contrario da santidade que pela obediência aos mandamentos nos coloca mais próximos em natureza moral e espiritual com Cristo, a anomalia produzida pela iniquidade nos torna mais parecidos com demônios. é uma guerra interior e espiritual, e cada homem sempre acaba se inclinando para um desses dois lados. C. C. Lewis certa vez disse: "Não há terreno neutro no universo, cada metro quadrado e cada fração de segundo é reivindicado por Cristo ou por Satanás."
 A natureza maligna do pecado é encantada na sua aparência e disforme na sua essência, é rotulo dourado com conteúdo venenoso. Essa é a estrategia do maligno, a natureza do pecado é extremamente mortal e extremamente prazerosa. As pessoas pecam em êxtase de delicias, para depois dessa suave ilusão, serem seduzidas até os confins da perdição eterna, quando não mais haverá como remediar uma situação irreversível: a condenação eterna. Por isso mesmo o pecado se reveste com vestes sedutoras,  é necessário que se tenha uma visão correta da gravidade do pecado, para não sermos seduzidos por seus enganos. E nesse caso, não devemos nos conformar com esse seculo e renovar o nosso entendimento. (Romanos 12:1 e 2). O conhecimento espiritual perfeito (A bíblia chama de Epignosis no original) é termos uma compreensão clara da obra perfeita de Cristo na cruz. Porque a cruz é o tratamento divino do pecado humano. É por esse angulo que entenderemos a força destruidora por trás da cruz, a hora e o poder das trevas estavam naquela cena devastadora, onde o Filho de Deus suportou por causa de nossas almas. Esse entendimento só pode ser possível, quando nosso pensamento está cativo a vontade de Deus, uma mente carnal não pode compreender isso. T. Austin Sparks certa vez escreveu "A mente carnal e a mente natural são terrenos de satanás".  Uma consciência cativa a Cristo é fundamental para termos uma noção clara da gravidade nefasta da natureza do pecado. Assim teremos o discernimento espiritual para compreendermos a natureza extremamente maligna do pecado.

CLAVIO J. JACINTO

sexta-feira, 1 de setembro de 2017

Criacionismo: Uma Ideia Antiga



Os debates acerca de questões bíblicas se intensificaram nesses últimos anos. O avanço do conhecimento e o numero de cientistas que não professam a fé em Deus ou a existência em um criador são bem relevantes. Temos um numero maior de cientistas vivos do que os muitos que já morreram. O conhecimento se multiplicou. O debate em torno do criacionismo também tornaram-se intensos. A teoria da evolução, em contrapartida tem ferrenhos adeptos. Dentro dessa perspectiva “futurística” onde os debates nunca terminam, pelo contrario, se intensificam  e tornam-se intermináveis, surge uma pergunta: Quando começou e onde começou a ideia do criacionismo? Ao que parece, muitos creem de forma errônea que o criacionismo começou com os fundamentalistas cristãos em reação ao movimento liberal e em oposição a alta critica e a teoria da evolução. Seria uma hipótese defendida por alguns fanáticos religiosos que não aceitam as teorias cientificas sobre a criação do cosmos. Por isso, acreditam alguns, que o criacionismo é uma ideia nova, um movimento recente, e isso é um erro. A ideia do criacionismo está completamente fundamentada na historia  das Escrituras. Ora vimos isso claramente em Gênesis 1:1,  Moisés escreveu isso em aproximadamente 1445 Antes de Cristo, levando em conta que a narração de Jó  26:13 reforça a tese de Gênesis 1:1, e o Livro de Jó é considerado o mais antigo das Escrituras, segundo alguns eruditos. Assim, vimos que bem cedo, a ideia do criacionismo já estava sendo promovida, e essa é uma ideia milenar, acompanha basicamente a abertura do Canon das Escrituras em 1440 A. C. e segue essa linha de revelação até o fechamento do Canon das Escrituras em 90 D. C. Por isso mesmo é uma ideia que perdura durante aproximadamente 1500 anos, pelos Escritores bíblicos, inclusive com o apoio de Cristo. Aqui estamos lidando com fatos concretos. A bíblia como um documento histórico antigo, já defende a ideia do criacionismo, e por isso mesmo, não se trata de uma ideia contemporânea, não é uma invenção protestante e nem católica, mas uma ideia que já era promovida nas eras mais antigas da humanidade, se pesquisarmos  a história do surgimento da escrita, podemos afirmar que o criacionismo é uma ideia muito antiga. Ela segue frente ao  alvorecer da civilização até chegar em nossos dias.

Clavio J. Jacinto

Falando em Mistérios?



Porque o que fala em língua desconhecida não fala aos homens, senão a Deus; porque ninguém o entende, e em espírito fala mistérios (I Corintios 14:2)

Falar em mistério significa falar um idioma enigmático e desconexo? Significa falar em um idioma indecifrável? Ou de forma a expressar uma linguagem sobrenatural de origem celestial?
Em primeiro lugar, a palavra mistério aqui, não denota o sentido comum como entendemos a Palavra mistério hoje. No contexto do Novo Testamento e principalmente das epistolas de Paulo a palavra grega “musterion” era algo conhecido aos iniciados. Segundo Vine, em seu dicionário exegético das Palavras do Novo Testamento (CPAD) significa algo que estando fora do seu âmbito da apreensão natural sem auxilio, só pode ser conhecido pela revelação divina e é conhecido no modo e no tempo designados por Deus. No sentido comum, mistério implica conhecimento retido, seu sentido bíblico é verdade revelada”(Pagina 795). O texto bíblico citado tem um sentido original de apresentar que o mistério está fora do escopo da compreensão do ouvinte, porque não havia interpretes. Ora, nesse caso o entendimento fica sem fruto (I Coríntios 14:14). Mas pregar um “mistério” revelado nos propósitos de Deus, em uma língua desconhecida, não significa falar em uma  língua celestial. “Cristo é o mistério da piedade que foi manifesto” (I Timoteo 3:16)Não há um único versículo nas escrituras que prove a existência de idiomas celestiais. Pelo contrario, todas as vezes que Deus ou os anjos falaram, o uso da linguagem é idioma terreno. Tanto por ocasião do batismo como na ocasião da transfiguração, a linguagem divina “Este é o meu Filho Amado, a quem me comprazo (Mateus 3:17 e 17:5) a voz celestial está na linguagem vernacular, ou seja da terra. Em Daniel 7:25, a escrita na parede, embora seja de origem sobrenatural, “Mene mene tequel Ufarsim”  era um idioma conhecido que Daniel conhecia, e tudo indica que as letras eram caracteres hebraicos mais primitivos,(aramaico) e por isso Daniel não viu dificuldades em Lê-los. Da mesma forma, Deus entrega os dez mandamentos escritos pessoalmente por Ele, escreveu com seus próprios dedos, usou uma  linguagem comum ao povo, ou seja  o hebraico(Êxodo 31:18) precisamos entender isso, esses são exemplos bíblicos de idiomas que Deus usou para se comunicar com os homens. Biblicamente falando, e permitindo que ela seja nossa autoridade final, não há como provar que exista uma linguagem ou idioma “celestial”. Posso citar muitos outros exemplos, Deus falou com Noé, e ele entendeu o que o Senhor estava dizendo (Genesis 8:15) Da mesma forma falou com Isaias e a linguagem era inteligível e vernacular (Isaias 9:8) O mesmo se deu com Samuel (I Samuel 3:11) Todos os que crêem que existe tal idioma celestial, precisam apelar unicamente para a experiência e nada mais.  E nesse caso, o “sola Scritptura” cai por terra, e a bíblia não mais passa a ser autoridade, a suficiência das escrituras passa a ser minada na sua base, quando a experiência determina se algo é ou não correto.
Olhamos para o contexto, em I Coríntios 14:21, Paulo associa as línguas desse capitulo, com a profecia de Isaias 29:11 e 12. E trata-se de línguas estrangeiras. Isso harmoniza-se perfeitamente com a fenômeno das línguas em Atos 2:8 “Como, pois, os ouvimos, cada um, na nossa própria língua em que fomos nascidos?” é claro que nesse texto, os que receberam o dom, falavam em  estrangeiras para anunciar a todo mundo a glória do evangelho. Nesse estagio de nossa compreensão entendemos que estavam anunciando o evangelho, o mistério que esteve oculto desde todos os séculos e todas as gerações,  que agora foi manifesto aos seus santos”(Colossenses 1:26). Assim lemos em um contexto imediato que Paulo fala desse mistério aos coríntios: “Mas falamos a sabedoria de Deus, oculta em mistério, a qual Deus ordenou antes dos séculos para nossa glória”(I Coríntios 2:7) Essa é a revelação que veio desde o pentecostes de forma ampla para fundamentar as bases da fé cristã e sua proclamação universal (I Coríntios 2:10). Isso está de acordo com I Coríntios 14:5, o que fala a língua precisa de um interprete para que a igreja receba edificação. No grego, a palavra traduzida por interprete é “diermenuó”, segundo o léxico de Strong e também de Thayer, significa desdobrar o que foi dito, explicar, traduzir algo de uma língua nativa, uma explicação completa ou uma tradução do que foi falado. É muito simples compreendermos as Escrituras, quando ela interpreta a si mesma. “E, por mim para que seja dada, no abrir da minha boca, a palavra com confiança, para fazer notório o mistério do evangelho”(Efésios 6:19)

 Em segundo lugar, entendemos que Paulo está fazendo sérias repreensões e corrigindo aos Corintos sobre esse assunto.  Precisamos ser adultos no entendimento (I Coríntios 14:20) “Assim também vós, se com a língua não pronunciardes palavras bem inteligíveis, como se entenderá o que se diz? Porque estareis como se falando ao ar”(I Coríntios 14:9)tendo em vista que o propósito de Deus é organizado e não confuso, tudo o que não tem um propósito em si, que não promove a centralização da mensagem da cruz, não tem apoio bíblico. O “ide e pregai o  evangelho” que Cristo ordenou, não poderia ser cumprido, se não existisse o dom de línguas. Essa proclamação aos gentios começou em atos 2, e isso vimos de forma como Deus é perfeito em cumprir os seus propósitos em capacitar muitos cristãos para proclamar as boas novas, o mistério que estava oculto, mas que agora deve ser revelado a todos os gentios e em todas as nações.

CLAVIO JUVENAL JACINTO

Footer Left Content