quinta-feira, 27 de julho de 2017

Caminho da perfeição


A FÉ DO HOMEM REGENERADO

A fé não uma força que pode estar sob nosso controle, e que pode ser usada para satisfazer a nossa vontade pessoal, na pior das hipóteses, não é uma força espiritual que pode mover as mãos de Deus favoravelmente em prol de nossos desejos. Também não é uma força de ação, um poder que emana de nossa vontade para criar uma realidade como se fossemos pequenos deuses.  Segundo alguns teólogos e defensores carismáticos, a fé é exatamente isso: uma força poderosa, tangível e condutora. Mas isso é um erro, um erro grave, uma distorção de uma doutrina central das escrituras. O justo viverá por fé (Romanos 1:17) e sem fé é impossível agradar a Deus (Hebreus 11:6) A fé não é um pensamento positivo, não é uma força de vontade capaz de tecer a teia do destino humano, nem tampouco é um otimismo capaz de pavimentar o caminho de nossas realizações. A fé  também não é uma força da nossa vontade, capaz de materializar os nossos mais profundos desejos, não é uma palavra de ordem que comanda um “deus” serviçal utilitarista, que está pronto a ouvir as ordens humanas. Tal fé conduz o homem para outro evangelho, pois cria uma falsa divindade.  A fé não é isso. Qualquer pessoa que lhe ensine isso, como se fosse fé, é um falso mestre.  A fé é uma confiança plena na misericórdia e  na soberania de Deus, é confiar no Senhor, numa entrega incondicional aos seus cuidados. Fé é acreditar que “Todas as coisas contribuem juntamente para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo seu propósito” (Romanos 8:28). Fé é prostrar-se diante de um Deus bondoso, entregar nossas suplicas e petições e dizer “Seja feita a tua vontade assim na terra como no céu”(Mateus 6:10) A definição clara da fé é “Ora, a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a prova das coisas que não se vêem, porque por elas os antigos alcançaram testemunho. Pela fé entendemos que os mundos foram criados; de maneira que aquilo que se vê não Foi feito do que é aparente”(Hebreus 11:1 a 3) Abraão é nosso pai na fé, porque ele creu contra toda a evidencia, sabendo que a providencia divina era favorável a sua confiança sincera. Isso é fé. Paulo declarou que viver é Cristo e morrer é ganho (Filipenses 1:21) porque ele acreditava piamente que a nossa pátria está nos céus (Filipenses 3:20) Para termos verdadeira fé, precisamos também ter paciência (Apocalipse 13:10) porque muitas vezes o Senhor prova nossa confiança como fez com Abraão. O fim da verdadeira fé não é a aquisição de bens, conquistas pessoais ou de impérios pessoais, mas sim a experiência  da nossa salvação (I Pedro 1:9) Assim entendemos que se o foco da nossa fé são nossos caprichos, desejos e sonhos pessoais, se a fé que temos é para a nossa  satisfação egoísta, se a nossa fé não está centralizada em Cristo e na sua obra suprema e perfeita, nossa fé é vã, é enferma, é uma falsa fé. “E, se Cristo não ressuscitou, logo é vã a nossa pregação e também é vã a vossa fé (I Coríntios 15:14) A fé tem seu auge quando confiamos na obra redentora de Cristo, a fé é a satisfação plena do homem piedoso, que mesmo passando por duras provas, tem a certeza de que Deus está no controle de todas as coisas. A fé é uma confiança na graça divina, o caminho da gratidão que nos conduz ao ato sagrado de agradecer a Deus por tudo o que recebemos dele, sem qualquer mérito da nossa parte. Essa é a fé que uma vez foi dada aos santos (Judas 1:3)


Clavio J. Jacinto

Confusão e Apostasia

Os dias de confusão que vivemos são sinais claros de que são dias difíceis e de grande engano dentro da cristandade. A s Escrituras já determinaram o quanto isso deve ser levado a sério. Tendo em vista que o inferno é real, e pelos cálculos de Cristo, a maioria vai pra lá, mesmo entre aqueles que dizem: “Senhor, Senhor” estarão ouvindo a sentença de Cristo “Nunca vos conheci, apartai-vos de mim” (Mateus 7:21 a 23)  A bíblia nos adverte a tomarmos cuidado, porque surgirão falsos profetas disfarçados de ovelhas (Mateus 7:15) obreiros malignos (Filipenses 3:2) Vãs filosofias (Colossenses 2:8)Falsos apóstolos e obreiros fraudulentos e o próprio satanás se transfigurando em anjo de luz e seus ministros disfarçando em ministros de justiça. (II Coríntios 11: 13 a 15) A simplicidade do evangelho se obscurece no meio de tantos falsos profetas e mestres que ensinam coisas terríveis. Em meio a tudo isso, estão pessoas sinceras, porem sinceridade não isenta ninguém de engano. Multidões sendo levados ao cativeiro da religião sem cruz, do falso evangelho sem salvação, porem acreditam piamente que são cristãs, porque seguem um sistema pseudo cristão. Milhões de almas estão indo para o inferno sendo membros de carteirinha de entidades evangélicas, mas que foram enganadas por uma falso evangelho.  Os tempos estão cheios de gente que aderiu a moda de ser “evangélico” pessoas que não lêem a bíblia, não estudam e muito menos praticam os princípios evangélicos. São levados pelo engano de que participando ou se associando a uma agremiação religiosa, estarão livres da condenação do inferno, porque seus lideres garantem a eles a salvação, pelo simples ato de contribuírem financeiramente para a construção de seus impérios religiosos. Oh que grande tragédia! Quando tanta gente sincera e boa se der conta de que estavam enganados porque foram vitimas de um sistema que os prendeu. Muitos terão seus olhos abertos, quando já não mais podem tomar uma decisão de rejeitar o sistema falso. A grande tragédia da nossa cristandade é ver uma multidão que paga para ouvir um falso evangelho, com o custo final da perda da própria alma.

CLAVIO J. JACINTO

PORQUE DEUS É UMA CERTEZA?

Creio no mundo das idéias como uma realidade dentro de nós. Isso é o reflexo da projeção de uma imagem: Deus.  Se o universo viesse do nada, estaríamos vivendo contradições. Uma vez que o acaso nunca pode gerar ordem definitiva, o nada nunca pode gerar idéias. A projeção de uma idéia é a criação de algo tangível. Um automóvel passa por uma série de projetos que começam sempre com as ideais. Por isso o universo nunca pode ser obra do acaso. Toda a ordem sempre procede de uma ação. O nada será sempre um absoluto definitivo, por isso é impossível que o universo seja obra do acaso voluntario e da manifestação de um nada. É simples assim, nada pode ser mais complexo e improvável que a não ideai possa produzir alguma coisa ordenada e funcional.

CLAVIO J. JACINTO

ELE LEVOU NOSSAS ENFERMIDADES...

Há um registro no Evangelho de Mateus sobre a cura da sogra de Pedro (Mateus 8:14 a 17) após a cura, quando Cristo repreende a enfermidade daquela mulher, lemos no versículo 17: “Para que se cumprisse o que fora dito pelo profeta Isaías diz que: Ele tomou sobre si as nossas enfermidades, e levou as nossas doenças.”. Essa é uma citação direta de Isaías 53:4. Com base nesses textos podemos afirmar que Cristo deve curar todas as enfermidades num cristão? Mesmo que muitos reivindiquem isso, sabemos que as coisas não funcionam assim, a realidade é que mesmo os proponentes desse tipo de interpretação, comum entre os carismáticos, na verdade acabamos descobrindo que as coisas não funcionam dessa maneira. Cito o exemplo do pregador de curas, que seguia essa interpretação, Hobart Freeman, conhecido nos EUA algumas décadas atrás e acabou morrendo por causa de uma doença que era clinicamente tratável. Nesse caso, além dessa teologia não funcionar em sua vida, mostra que precisamos rever esse ensino. É claro que a sogra de Pedro foi curada, e que o texto mesmo aplica Isaías 53. Porém creio que estamos em um estagio de processo, e o nosso corpo debilitado pelo tempo, acaba sendo suscetível as doenças e isso é normal pra todo mundo. Paulo fala em Romanos 8:23 que “Gememos em nós mesmos, esperando a adoção, a saber, a redenção do nosso corpo” No contexto dessa passagem (Versículo 22) toda a criação geme. No  versículo 11,  Paulo afirma que o Espírito Santo que ressuscitou a Cristo, vivificará os vossos corpos mortais pelo Espírito que em vós habita”.  Também lemos em Filipenses 3:20 e 21: “Mas a nossa cidade está nos céus, de onde também esperamos o salvador, o Senhor Jesus Cristo, que transformará o nosso corpo abatido, para ser conforme o seu corpo glorioso, segundo o seu eficaz poder de sujeitar também a si todas as coisas.”. Creio que Isaías 53 terá sim, um cumprimento total na vida de todo o homem redimido, quando cada um dos salvos receberem o corpo glorificado, onde a doença não mais poderá atingi-lo, porque a redenção de Cristo cumpriu os requisitos básicos para a formação do corpo glorificado. Porém ainda gememos num corpo mortal, que envelhece e enfraquece e por fim morre. A morte biológica ainda é uma realidade para os santos, mas sabemos que em breve a morte será tragada pela vitória. Tudo dentro do plano salvífico está em ordem, porque Deus sabe fazer as coisas da maneira  perfeita, resta-nos apenas crer e confiar em Cristo.

CLAVIO J. JACINTO

quarta-feira, 26 de julho de 2017

Frutos e Vida Cristã

A frutificação espiritual deve ser a condição normal de um homem regenerado, ela ocorre através de uma vida intima com Cristo (João 15 1 a 11) Paulo enumera esses frutos (Gálatas 5:22 e 24) eles são as provas definitiva da nossa espiritualidade. Nunca se engane, a legitima vida espiritual não provada de outra forma.  O fruto do Espírito é uma ação do Espírito Santo trabalhando no espírito do homem. Não é um resultado de nossos esforços, mas sim de uma entrega. A união com Cristo significa uma entrada para dentro de seus ensinos, só quem guarda as palavras de Cristo, pode viver a vida espiritual em plenitude. Israel, na antiga aliança foi categoricamente rejeitado pelo Senhor, porque não deram frutos (Isaías 5:1 a 7) muitos cristão também serão rejeitados “E também agora está posto o machado a raiz das arvores, toda a arvore pois que não produz bom fruto, é cortada e lançada no fogo”(Mateus 3:10)

Clavio J. Jacinto

A Mensagem da Cruz e a Pregação

A mensagem da cruz é loucura para o homem caído, que tem seu entendimento obscurecido, por isso, a ação do Espirito Santo é iluminar o coração do perdido para que a luz do evangelho resplandeça e ele entenda o sacrifício redentor de Cristo pela preciosa graça de Deus. Isso não é obra humana. Jamais podemos convencer alguém por nossa própria vontade. A nossa missão é pregar, proclamar a mensagem do evangelho, o Espirito Santo usa a nossa pregação como ferramenta para trabalhar no coração alheio. É através de um trabalhar no Consolador na vida e no coração dos ouvintes, que os verdadeiros frutos da conversão e da regeneração irão aparecer, não menos que isso. Hoje o humanismo tenta usurpar o centro do evangelho que é Cristo. Pregadores usam da artimanha falaciosa de que se os pecadores ouvirem uma mensagem que satisfaça seu egoísmo, ele será atraído para a mensagem da cruz, a verdade é que El está sendo ensinado e conduzido a ficar longe dela.. O centro do evangelho é Cristo, a mensagem do evangelho não pode sofrer diluição nem mesmo pode ser adulterada por causa do pragmatismo ou por causa do humanismo. O evangelho não pode ser proclamado com entretenimento, porque a mensagem da cruz nunca nos convida para a vida de diversão. O evangelho é uma mensagem séria que precisa ser proclamada com temor.

Clavio J. Jacinto

Obreiros Reprovados

Uma das exortações mais sérias das Escrituras é: “tu, porém fala o que convém, a sã doutrina”(Tito 2:1) Não sei o que isso pode significar para essa turma de analfabetos bíblicos que ocupam púlpitos para pregarem o que não convém: a doutrina enferma, fruto de má exegese e ignorância, mas a boa exegese, a boa hermenêutica e a sã doutrina é a base fundamental onde são sustentados todos os obreiros aprovados. O líder cristão que não acredita ser de máxima importância, a teologia santificada e a ortodoxia da sã doutrina, não tem capacidade de apascentar ovelhas pelos caminhos da cruz. Pregar a sã doutrina é uma prova legitima de que temos compromisso coma Palavra de Deus e não com os homens. Infelizmente hoje, vimos como essa exigência de ser um obreiro aprovado que maneja bem a palavra da verdade é ignorado, e os resultados são desastrosos, e bem pior do que se imagina, conduz pessoas para longe do evangelho autentico, ao invés de levá-las a Cristo.  Thomas Ice e Robert Dean, Jr, no livro “Triunfando na Batalha” escreveram algo verdadeiro sobre isso: “Muitos dos erros que tem se insinuado nas igrejas, alguns dos quais se tornaram muito populares, são baseados em má compreensão e má interpretação das Escrituras. As vezes isso acontece porque os autores não levaram em conta as línguas originais da bíblia ou as usaram mal. Portanto, é importante que ocasionalmente consultemos o original grego e hebraico das palavras das Escrituras para corretamente interpretar a Palavra de Deus (Triunfando Na Batalha Pagina 16)

Clavio J. Jacinto

Sobre o Batismo com Fogo de Mateus 3:10

Muitos interpretam erroneamente Mateus 3:10 sobre o batismo com fogo. De acordo com o contexto imediato de Mateus 3:10, é o fogo do juízo, como revela claramente os versículos 11 e o 9. Saduceus e fariseus vinham ao batismo de João (Versículo 7) mas pela reação de João Batista, não vinham para se arrependerem, por isso eram chamados de raça de víboras. Em outras partes das Escrituras, o fogo pode ter outro significado, de acordo com o contexto de cada um deles, porém em Mateus 3:10 e seu contexto imediato, o fogo significa claramente o juízo de Deus. Não pode ser interpretado de outra forma, pois de outra maneira, o texto torna-se ambíguo.


Clavio J. Jacinto

Sabedoria dos Bereianos

Uma das passagens mais interessantes de Atos aplica-se a conduta dos cristãos de Beréia que ouviram a exposição do evangelho, e examinaram as escrituras para ver se realmente a exposição bíblica de Paulo estava correta.  É bem possível que Paulo tenha feito uma exposição mais profunda das profecias do antigo testamento relacionadas a Cristo, provando que Jesus era de fato, o messias. Isso fez com que aqueles irmãos verificassem mais a fundo e com muito cuidado, as Escrituras para ver ser Paulo estava correto. Essa conduta foi louvável (Atos 17:11) Veja que os bereianos não recorreram a outra coisa a não ser as escrituras. Vimos aqui como em meio a tantas tradições, os crentes de Beréia já estavam inclinados a suficiência das escrituras e nada mais. O texto esclarece que eles examinavam as escrituras e não tradições. O exame das escrituras para verificar a autenticidade de um sermão é algo que deve ser sempre peculiar ao cristão verdadeiro. Se todos seguissem o exemplo dos bereianos, os falsos mestres e os falsos profetas seriam em numero muito reduzidos em nossos dias, porém a indisposição ao estudo levam muitos ao engano. Assim como aqueles cristãos, devemos recorrer sempre as escrituras para verificar o que estamos ouvindo, a Bíblia deve ser sempre nossa autoridade final em questões doutrinarias, sempre!

Clavio J. Jacinto

Sobre o Louvor Contemporaneo

A musica erótica “cristã” moderna assim como certos tipos de misticismo católico tem entrado de forma sorrateira na igreja contemporânea. Hoje muitos afirmam amar a Deus, porém de forma completamente diferente daquele amor que Cristo ensinou em João 4:24 “Em Espírito e em verdade”. Ora, amar a Deus em Verdade, é amá-lo segundo os padrões das Escrituras, pois Cristo mesmo ensinou serem as Escrituras a verdade (João 17:17). Então, trata-se do amor Ágape e não do amor Eros. Não podemos cantar para Deus como fosse um namorado, não podemos nos dirigir ao Senhor, com afetos naturais. Muitas musicas tornaram-se tão ambíguas que tanto servem para “louvar” como também servem para cantarmos para nossa esposa. Isso é uma corrupção das letras das musicas cristãs de hoje, que são teologicamente tão pobres e até mesmo heréticas ao ponto de se tronarem ambíguas e perderem seu significado mais elevado, que é adoração ao Senhor.

Clavio J. Jacinto

terça-feira, 25 de julho de 2017

Definindo a Verdadeira Fé

A fé verdadeira não repousa sobre nossos sentidos e emoções, pois se trata de uma fé espiritual, que vem do profundo do coração redimido e piedoso,é uma fé verdadeira porque não repousa sobre as coisas passageiras, mas sobre a infinita providencia de um DEUS vivo e misericordioso. Precisamos entender isso, pois hoje, muitos pregadores falsos, estão promovendo pensamento positivo como se fosse fé, outros ainda estão promovendo a fé como se fosse uma força que pudesse fazer com que todas as coisas no universo se ajustem aos nossos desejos, inclusive o poder de Deus. A fé segundo o que podemos concluir de um estudo minucioso de Hebreus 11 é uma confiança absoluta no amor, na misericórdia e na providencia de Deus, sem se importar com os questionamentos egoístas da parte humana. Em Hebreus 11, a fé é a luz que determina o fato de que Deus é soberano em qualquer circunstancia, não importa qual seja a vontade humana, contando que a vontade de Deus sempre é a melhor escolha a aceitar.

Clavio J. Jacinto

Toda a Escritura é Inspirada

Paulo testemunha que toda a Escritura é inspirada por Deus e útil, para ensinar, repreender, corrigir e instruir o homem em justiça”(II Timóteo 3:16) Há uma referência clara de que toda a escritura e não somente uma parte dela merece uma atenção destacada. É verdade que trechos podem ser mais importantes que outros, e alguns ensinos sejam mais importantes do que outros, mas a ênfase deve ser colocada e, toda as escrituras então em alguns livros, como quis fazer Marcião já nos primórdios da igreja.. Quando Paulo fala sobre toda Escritura, estava falando sobre a sua totalidade, por isso acredito que ele esteja correto, e aqueles grupos que enfatizam uma parte das escrituras como sendo de maior destaque do que outras, esta cometendo um erro. Mesmo que estejamos vivendo em uma nova aliança, e que a antiga tenha finalizado, isso não significa que perdeu o seu valor espiritual. O Velho Testamento continua como sendo inspirado e inerrante, todos os 39 livros. Uns dão uma ênfase sobre os dez mandamentos, como se fosse superior aos demais escritos da antiga aliança, isso é errado, acredito que os judeus ortodoxos deram um tratamento mais profundo para o Pentateuco, não dando ênfase aos 10 mandamentos mas catalogando 613 mandamentos.  Levando em conta a época em que isso foi feito, creio que eram só os livros de Moisés, na época em que isso foi feito, entendo que a visão dos judeus eram completa para aquela época. Mas não agora, pois já temos 39 livros no Antigo Testamento e 27 livros no Novo, e o Canon está fechado, o que significa que as palavras de Paulo abrangem Genesis ao livro de Apocalipse, e ele diz: “Toda a Escritura é inspirada por Deus!”. Creio que ele estava certo ao escrever isso, por isso nunca devemos dar ênfase a certas passagens em desprezo a outras, simplesmente porque a Bíblia toda é inspirada e inerrante, todos os capítulos e todos os versículos e não somente parte delas devem ser destacadas  como se fossem mais inspiradas do que as outras.

Clavio J. Jacinto

sábado, 22 de julho de 2017

As Influencias Anticristãs do Espiritualismo

A nova espiritualidade afirma que o homem é um ser energético, para alguns espiritualistas, o homem está dando um salto quântico, o homem sai de um plano meramente mental para um plano mais elevado, um plano quântico. Na nova era e no espiritualismo moderno, o homem não é visto como um ser físico ou como uma tricotomia (corpo, alma e espírito) mas é visto como um ser composto de energia, com muitas divisões intricadas ,mental,  espiritual, vibracional, etc. As escrituras ensinam a tricotomia do homem, corpo, alma e espírito (I Tessalonicenses 5:23) o homem foi feito do pó, esse é o decreto divino: “Tu és pó”(Genesis 3:19) o home é carne (I Coríntios 15:39) e o corpo do homem regenerado é templo do Espírito Santo (I Coríntios 6:19) A visão espiritualista do homem, é o fio condutor que promove a causa do anticristo,. Uma vez que defende o corpo como uma energia vibracional, em um processo evolutivo para uma esfera  quântica, entra em confronto direto com a encarnação de Cristo, o espírito do anticristo não confessa que Cristo veio em carne (I João 4:1 a 4) porém sabemos que Cristo veio em carne e confessamos isso de forma clara, pois essa é a mensagem do Novo Testamento (Veja Colossenses 1:22 e I Timóteo 3:16)  

Clavio J. Jacinto

Sobre o Código da Biblia

Michael Drosnin ficou famoso ao escrever seu livro “O Código da Bíblia” li esse livro, cheio de complicados esquemas, que Drosnin fez, usando computadores, tinha uma curiosidade de saber algo a respeito, e tecer um comentário a luz das Escrituras. Creio que o Senhor não nos deu a bíblia com o objetivo de esconder códigos intricados por trás do hebraico ou o grego koiné. Jesus não usou a bíblia dessa maneira, o que descobrimos é que Jesus fez uso pratico da palavra, por exemplo em Mateus 4, na tentação Ele usa os versículos bíblicos para argumentar contra as artimanhas diabólicas, citando Deuteronômio 8:3, 6:16 e 6:3. No sermão da montanha ele dá uma ênfase especial sobre o ensino e obediência aos mandamentos(Mateus 5:22) Cristo veio para cumprir a lei (Mateus 5:17) o código da bíblia, apresenta as Escrituras de outra forma, tenta descobrir os intricados esquemas proféticos dentro do texto, tentando descobrir códigos completamente inacessíveis ao leitor comum. A bíblia é lâmpada para os pés e luz para o caminho do cristão (Salmos 119:105) Paulo nos ensina o modo correto de ver estudar e pesquisar a Bíblia: “Toda a Escritura é divinamente inspirada, e proveitosa para ensinar, para redargüir, para corrigir, para instruir em justiça, para que o homem de Deus seja perfeito e perfeitamente instruído para toda a boa obra” (II Timóteo 3:16 e 17)

Clavio J. Jacinto

sexta-feira, 21 de julho de 2017

Pobre de espirito na Igreja pós-moderna

Jesus começou a ensinar ao subir ao monte, quando os discípulos ali estavam e escutam o que seria mais tarde chamado de o ”sermão do monte”. Ele começa com a primeira bem aventurança ensinando: “bem aventurados os pobres de espírito, porque deles é o reino dos céus”(Mateus 5:3) é difícil hoje em dia. Um pregador chegar diante de uma multidão e falar sobre esse assunto. De fato, a certeza de que a pobreza de espírito como um bem espiritual não bem aos ouvidos da igreja moderna. Há uma indisposição aguda em ouvir sobre pobreza, mesmo sendo de espírito. Porque isso envolve implicações profundas no coração. As bem aventuranças e todo o sermão da montanha são um tesouro de ensinamentos, soterrados sob a teologia fria e morta de uma igreja mundanizada e egocêntrica. Se que posso chamar o que venho ouvindo durante anos a fio, como teologia. Ser pobre de espírito é ser mendigo, isso é radical, e vai escandalizar aos que vivem na soberba espiritual.Pobre de espírito é incapaz de desejar aplausos humanos, é incapaz de ir em busca da fama, não deseja ficar na plataforma do sucesso, nunca pretende ficar sob os holofotes da idolatria. Ser pobre é ser ultimo, sempre. É viver dependente da graça de Deus em todos os momentos, e ser totalmente dependente da misericórdia divina.  Um pobre de espírito chega diante d Deus como um necessitado, e entrega-se completamente a providencia divina, como o único caminho para alcançar a graça celestial. Pobre de espírito é o homem que não encontra bem permanentes nesse mundo, e tem á Deus como um tesouro incalculável.

Clavio J. Jacinto

Falsos Profetas e Discernimento

Falsos profetas tem surgido em nosso tempo. Uma das falhas mais comuns em identificar um falso profeta, é esperar que eles se apresentem de modo a revelar que são falsos, o que não é assim. Cristo ensinou que os falsos profetas vem revestido de boa aparência (Mateus 7:15) desde os tempos de João eles já existem no mundo (I João 4:1) eles seriam numerosos nos últimos dias (Mateus 24:11) uma das características mais comuns é que suas mensagens são agradáveis (Jeremias 23:16 e 17). Temos um caso interessante no antigo testamento, na época do rei Acabe, havia um grupo seleto de profetas, cerca de 400, que Acabe gostava de consultar, porque eles falavam tudo o que o rei Acabe gostava de ouvir. Certo dia, Jeosafá, em uma aliança com Acabe, pergunto se não haviam outros profetas para consultar além do grupo seleto a serviço de Acabe. Então este falou que havia um, chamado Micaías, mas que só profetizava o que não agradava a ele. Micaías era o verdadeiro profeta, porém era rejeitado, porque exercia corretamente seu ministério profético. (I Reis 22:1 a 28). Nunca se engane, falsos profetas usam da artimanha das palavras agradáveis, eles falam d vinda do avivamento, quando a bíblia fala na vinda da apostasia (II Tessalonicenses 2:3) eles falam sobre êxito e prosperidade, quando a bíblia fala que a iniqüidade se multiplicará(   ) eles falam sobre assuntos que agradam o coração do homem, não o que agrada o coração de Deus. Falsos profetas são reverenciados ao invés de serem perseguidos e rejeitados. Falsos profetas gostam da plataforma da fama, por isso precisam agradar a todos, pois dependem da glória dos homens para sustentá-los. Infelizmente poucos percebem esse perigo, falsos profetas se disfarçam muito bem, usam palavras que não ofendem, o vocabulário deles é doce, cativante e suave, pois dessa forma conseguem aliciar o ego humano e ganhar o credito dos incautos.

Clavio J. Jacinto

Engano e Discernimento

Certa vez li uma frase interessante de James Gibeens, que era mais ou menos assim “Como tudo aquilo que é valioso, a verdade também é falsificada”. Isso é um fato, principalmente quando o assunto é dons, espiritualidade e cristianismo. Jesus fez sérias advertências sobre falsificação espiritual e repreendeu severamente a hipocrisia dos religiosos de sua época. Sem duvida a questão central do engano, é que se reveste de algo que não é para confundir quem não tem discernimento. Assim vimos como Paulo adverte que o próprio Satanás se transfigura em anjo de luz e seus ministros em ministros de justiça (II Coríntios 11:14) Tudo pode ser imitado, inclusive a fé cristã, até mesmo a santidade pode ser falsificada. Thomas Brooks escreveu certa vez: “A santidade falsa é tão parecida com a verdadeira, que sem os raios divinos que no guiem, seremos facilmente enganados por nós mesmos”. Sempre costumo avaliar as coisas na esfera espiritual, todo cuidado é pouco. Aquilo que distancia o cristão da obra da Cruz e o Cristo verdadeiro,  tudo aquilo que promove o enfraquecimento de uma doutrina central, que obscurece aquilo que é lógico, que causa desordem, confusão e nos afasta das verdades fundamentais da fé cristã e nos aproxima daquilo que a bíblia condena, deve ser rejeitado. Outro fator que determina a validade dessas coisas pode ser medido como o homem reage perante isso. Tudo o que acende o amor pelo próprio ego, Não provem do altar de Deus.  O engano religioso e místico é capaz de enganar um coração, aliciando a natureza carnal com experiências agradáveis.

Clavio J. Jacinto

quarta-feira, 19 de julho de 2017

Mica: O Fundador de Uma Nova Religião

                                  A Síndrome de Mica num Sistema Confuso e Decadente

Em Juízes 17, quando Israel estava em franco estado de apostasia moral e espiritual, encontramos uma história interessante. Sansão tinha sido o ultimo dos juízes de Israel, o povo estava entrando num mundo cheio que confusão. Era o relativismo aplicado de forma clara entre aqueles que não tinham mais os mandamentos do Senhor como base para fundamentar a vida espiritual. “Cada um fazia o que parecia bem aos seus olhos”(Juízes 17:6) nesse contexto religioso decadente entra em cena, um homem chamado Mica. Sua história começa com  um ato imoral, pelo que entendemos do jogo de palavras com  sua mãe, foi ele quem roubou as 1.100 moedas de prata. Ele temeu a maldição materna, e então devolve aquela fortuna.
Mica vivia nas montanhas de Efraim, sua mãe parecia ser uma mulher muito rica, poucas informações pessoais têm a respeito dele, percebemos o contexto espiritual em que ele está inserido, assim como também sua mãe. Desde que por um suposto ato de sinceridade, com temor de que a maldição da mãe caísse sobre si, devolveu as moedas de prata, então vimos a sua mãe bendizendo o seu filho por este ato de “honestidade” ao invés de repreendê-lo, achou por bem, reverter a situação da maldição. Isso é próprio num sistema religioso ambíguo e relativista, a ignorância espiritual não produz sobriedade e discernimento em ninguém.
Quando as moedas são devolvidas, então, talvez num ato de gratidão, ela dá 200 moedas de prata para Mica, para que seja entregue ao ourives, e seja produzida uma imagem de escultura e uma de fundição. Uma falsa piedade sincera transparece na vida da mãe de Mica, ela declara “Bendito do Senhor seja meu filho” (Juizes 17:2) e “Inteiramente tenho dedicado este dinheiro Dedicado ao Senhor...”(Juizes 17:3)  Assim, Mica teve uma casa de deuses, desenvolveu para si uma religião, que unia elementos de judaísmo e paganismo. Fundou seu próprio ministério, nascia nas montanhas de Efraim uma “denominação judaica-pagã” Mica era seu fundador. Consagrou seu próprio filho ao sacerdócio, confeccionou um efode, terafins, e com certeza desenvolveu um ritual misto, para o sistema operacional do seu sistema. Mais tarde, Mica encontrou um levita que saiu para peregrinar “Onde quer que achar conveniente” e acabou encontrando Mica, o presidente da religião que inventou. Sendo Mica, o fundador dessa nova religião, tinha a primazia e o direito ao exercício funcional de fazer do jeito dele, então contrata o levita, oferecendo a ele um salário anual de dez moedas de prata, vestuário e o sustento.  Esse era o negocio religioso de Mica, uma religião conforme a sua cosmovisão, e ele simplesmente acreditava como os demais “Fazia o que parecia ser certo aos seus olhos”
Deixe-lhe dizer algo a respeito disso: sinceridade numa foi sinônimo de verdade. Uma pessoa pode até ser sincera na sua intenção, mas isso nunca significa que ela esteja certa na ação.
Mica não tinha um conhecimento apropriado, não havia nele uma visão da realidade espiritual, não tinha discernimento, e por isso achava que estava fazendo a vontade de Deus quando estava desenvolvendo uma religião judaica para tentar restaurar a verdadeira religião. As coisas não funcionam assim.
Mica não tinha autoridade para fundar uma denominação judaica, ainda que tenha boas intenções, ainda que acreditasse que Deus estivesse nesse negocio (E com certeza, Deus não estava), todavia ele prossegue, e inventa um ministério, com base naquilo que ele sabe a respeito de religião judaica, e como tem hermenêutica deficiente, como não tem uma boa exegese e uma boa formação teológica, como não há um profundo conhecimento das coisas espirituais, então ele interpreta as circunstâncias e tudo mais de acordo coma  sua maneira de ver, a religião é dele, ele tem seu modo particular de desenvolver as coisas, é importante que ele esteja satisfeito para que a sua consciência fique tranquila. Por isso, por causa das deficiências espirituais de sua má teologia e de seu discernimento obscurecido por erros doutrinários e uma cosmovisão falida, ele precisa preencher os requisitos de uma boa religião, e busca os elementos pagãos para aprimorar o seu ministério, ele tem um bom funcionário talvez. Um ourives vai lhe confeccionar ídolos, para adaptar essa nova liturgia conforme essa nova religião que ele inventa.
Nos nossos dias as coisas acontecem desse jeito. Qualquer um que se diz evangélico, sem qualquer escrúpulo “funda” um ministério, não tem capacidade de ler corretamente o texto sagrado e fazer uma exegese correta (a maioria dos Micas modernos, nem sabem o que é isso!). é admirável que eu esteja falando de fatos, porque já me envolvi com muita gente dessa espécie, que aos moldes de Mica, “funda” uma nova religião, tomando emprestado elementos do cristianismo e também do paganismo, para fazer uma religião sincrética e depois batizá-la de religião cristã. Isso tudo feito no maior capricho de estarem fazendo piedosamente a vontade de Deus, alguns mais exóticos afirma receber revelação do alto para fundar seu próprio estilo de religião “Micaista”. Mas apenas estão fazendo aquilo que acham que está correto. Se receberem qualquer informação de que o sincretismo que defendem  ou a doutrina que advogam esta completamente fora das escrituras e foi fruto de uma péssima hermenêutica do livro sagrado, nunca estão dispostos a abandonar o erro e receber correção e corrigir as suas vitimas. Essa é a realidade em muitos lugares desse mundo.
Deixem me dizer mais, Mica era agora o “presidente” de uma organização. Não importa que isso tenha acontecido a tanto tempo, o fenômeno ocorre quase todos os dias em nossa sociedade. Cada um desses novos Micas. Acha-se na incumbência de fazer uma denominação aos moldes daquilo que ele acha ser o correto. Fazendo a coisa do seu jeito, pode administrá-la do seu jeito.  Sentindo-se como o fundador, tem por direito fazer conforme acha que é certo. Contrata um levita, oferece um salário a ele, contrata um ourives, desenvolve as próprias parafernálias e os penduricalhos religiosos e assim nasce mais uma religião tipo “fundo de quintal” onde se une o útil ao correto ao modo de entender as coisas, muito do que vimos atualmente acontecem dentro dessas circunstâncias hoje.
Falta de conhecimento bíblico é um dos fatores mais determináveis para essa projeção tão ampla do Micaismo em nossos dias. O homem de repente se acha com um “chamado especial” recebe uma revelação mística particular, e então começa organizar uma religião aos seus moldes. Dias atrás um amigo meu, que por certo tem muito bom discernimento bíblico, argumentou contra alguém que dizia que as igrejas históricas são bem mais raras, enquanto que igrejas pentecostais e carismáticas se encontra em tudo quanto é beco, pelo que meu amigo respondeu que qualquer um hoje pode “fundar” uma igreja pentecostal carismática, independente de sua formação teológica, por isso pode ser encontrado em qualquer lugar. Creio ser isso verdadeiro e concordo plenamente, pois que já ouvi coisas terríveis vindo de uma péssima exegese de um texto sagrado, feita por “pastores fundadores” tipo Mica, que fizeram sua própria denominação.
Acho engraçado, irônico, como tanta gente é sabia quando assunto é uma questão de vida ou de morte, poucos se aventuram a colocar qualquer parte do corpo a disposição de um individuo que não sabe nada sobre cirurgia, para permitir que o tal faça uma cirurgia delicada. Isso seria tão obvio quanto aquele que vai tomar um ônibus e é avisado que o motorista é cego, vai descer  do ônibus e não vai seguir viagem. Mas isso não ocorre no mundo da cristandade, muitos entregam a alma aos cuidados de lideres que não conseguem discernir nada de verdadeiro do texto sagrado, não possuem a  capacidade de interpretar o texto bíblico de forma correta, não fazem uma boa exegese, não possuem conhecimento espiritual correto e no entanto querem conduzir pessoas para a eternidade guiando-os encima de um livro que não entendem e não sabem interpretar corretamente. Sinceramente...
Mica deixou um legado perturbador. Como pode alguém na sua sinceridade, querer fazer a vontade de Deus transgredindo os Seus mandamentos? Só existe uma resposta, ignorância! Mica era ignorante. Seu conhecimento era parcial, algumas coisas ele sabia, outra não. Deus nunca autorizou um homem a restaurar o judaísmo aos moldes da visão de Mica. Ele pode ter sentido esse chamado, ma foi um engano do seu coração (Jeremias 17:9) ele pode ter sido sincero, e acredito que tenha sido. Mas isso não significa que esteja correto.  Há uma cegueira terrível no coração de Mica, e encontra um levita nas mesas condições. Tudo parece dar certo,. Certamente ele pensou “Deus está nesse negocio” afinal de contas, até um levita parece ter aparecido pela “providencia de Deus”(?) ele tinha uma convicção firme do seu “chamado” pois lemos que Mica disse: “Agora sei que o Senhor me fará bem; porquanto tenho um levita por sacerdote”(Juízes 17:13) então ele acha que tudo corre bem no seu projeto. Ele tem alguém que vai financiar a sua obra: Sua mãe. Ele tem os instrumentos funcionais de sua nova religião: Terafins, estatuas, efode e uma casa para seus deuses, e ele tem mão de obra espiritual “qualificada” Um levita relativista com uma moral feita aos moldes da conveniência pessoal, essa mistura gerou um novo movimento local, com elementos sincréticos.  Assim vimos como Mica, ainda que seja sincero, tenha percebido alguns sinais indicativos que Deus estava “aprovando” esse negocio, na verdade Mica estava dando um passo a mais para fora daquilo que foi estabelecido por Deus no principio.
Certa vez falei para um amigo do escândalo das divisões na cristandade atual, a ênfase doentia dada por títulos hierárquicos, as experiências de um misticismo egoísta, onde “deus” revela para cada novo fundador de um ministério sincrético e apostata, que ele tem uma “missão” a missão de ser um Mica, e ajudar na promoção das dissensões, das heresias, das divisões, das contendas, já que o esfacelamento de ministérios é um distintivo forte  entre carismáticos e pentecostais, se dividem, depois brigam uns com os outros, falam mal uns dos outros,(prova cabal que não existe nenhum mover do Espírito, e sim as manifestações de obras da carne) divinizam seus lideres que atuam como “césares papistas” e são vistos como porta vozes que representam a elite mais alta da hierarquia espiritual, intocáveis, como muitas vezes eu mesmo ouvi pessoalmente, em reuniões de obreiros, na minha peregrinação religiosa, por tantos antros religiosos, que ninguém pode questionar ou tocar nos “ungidos” porque isso é correr o risco de morrer fulminado. Onde não existe um homem chamado por Deus para ser servo de uma congregação, saiba que ali há um usurpador que quer tomar o centro das atenções e roubar a glória que não pertence a ele.
Agora podemos projetar a nossa imaginação para dentro da religião inventada por Mica. Ele estava distante dos ensinamentos de Moisés, tinha um entendimento obscurecido a respeito de idolatria.  Sua moral era desqualificada, ele tinha uma visão destorcida das questões éticas. Devolver as moedas para sua mãe, porque temia as maldições proferidas por ela, não porque achasse que o que tinha feito era errado.  Agora que seu “ministério” era uma realidade, estava organizado, então o que devia pregar? Como sustentar a sua autoridade? Não sabemos que fim deu a sua invenção. Mas se fosse hoje, encontraria muita gente disponível a segui-lo com certeza, Pois vimos que essa síndrome ainda se perpetua hoje, pois tantos ainda fazem igual a Mica. Se não tinha uma boa teologia, não havia uma boa hermenêutica, longe do conhecimento espiritual e longe dos mandamentos, o que fazer? Como poderia dar credito a sua “missão restauracionista” teria que convencer-se que tinha uma missão especial,  por isso nada mais obvio de que auto-sugestionar-se, para convencer a si mesmo e aos outros, que sua missão era revestida de uma autoridade sobrenatural e especial. Não demorou muito, mas vimos o seu primeiro seguidor, o levita. Antes já tinha seu filho, que executou as funções sacerdotais, mas agora vem uma mudança, outro, em condições mais avançadas, estava disposto a desempenhar o papel sacerdotal. Na falta de algo que possa complementar uma inteira verdade, Mica fez uso da idolatria e das bugigangas religiosas dos pagãos. Assim, nesse sincretismo ele conseguiu formar uma religião própria, sem afastar-se complemente do judaísmo, mas ficar encima do muro, tentando equilibrar a verdade e a mentira em uma mesma balança, para provar aos outros que sua ideologia religiosa era uma verdade autentica.
Mica o desqualificado
A breve história de Mica apresenta que ele era desqualificado para exercer liderança religiosa por diversos motivos que podem ser percebidos, quando estudamos Juízes 17.
Mica era desqualificado porque não tinha discernimento espiritual. Ele fazia o que achava que estava correto, sua opinião era a autoridade final em questões espirituais. Ele estabeleceu os padrões de autoridade: confiar em si mesmo e em seus sentimentos. Isso o levou a criar uma religião segundo a sua visão de ver as coisas no âmbito espiritual. Não havia discernimento, ele não conseguia detectar a malignidade da idolatria, ou ignorava os mandamentos ou desconhecia as palavras de Moisés e os ensinos correspondente ao legislador da antiga aliança. Possivelmente tinha uma visão parcial das coisas espirituais. Vimos que ele sabia que os levitas foram escolhidos para o exercício do ministério religioso no templo, mas ao mesmo tempo, inseriu na sua religião ídolos esculpidos e fundidos. Há uma mistura de superstição, idolatria e magia, e isso aconteceu porque o discernimento de Mica era deficiente.
Mica era desqualificado, porque não tinha um entendimento profundo das leis e mandamento do Senhor.  Paulo ensina que o obreiro aprovado precisa manejar bem a palavra da verdade, ora isso significa ter um conhecimento bíblico preciso. Precisa ter profundidade e conhecimento para exercer um ministério no mínimo, coerente. Não existe como fazer uma boa exegese, os princípios hermenêuticos não podem ser aplicados, se não há uma disposição para o estudo e a pesquisa das coisas relacionadas a doutrina cristã. Sem um preparo adequado, sem um conhecimento fundamental da bíblia, sem conhecimento do contexto cultural em que cada livro se encontra, sem uma visão ampla dos ensinos da Antiga e da Nova aliança, não há como viver dentro do equilíbrio espiritual da ortodoxia. Infelizmente, durante anos, tenho presenciado um exercito incontável de “pregadores” que não pregam nada além de suas déias vagas flutuando encima de um texto bíblico que não sabem nem interpretar e nem mesmo explicar. Durante anos, mais de duas décadas, o que tenho ouvido nos meios carismáticos e pentecostais senão pregadores profissionais, que usam técnicas de retóricas, misturam mensagens motivacionais com textos bíblicos ou fazem exposição de SUS idéias encima do texto bíblico e nada mais.  Na mentalidade dessa gente, pregar é falar alguma coisa e nada mais. Dê uma opinião com ingredientes básicos para uma boa retórica (quando existe a boa retórica) e está pronto o sermão.
Mica era desqualificado porque era um homem que administrava as circunstâncias de acordo com a sua conveniência. Se o levita era um mercantilista, Mica era conveniente. Primeiro ele consagrou seu filho a sacerdote (ele não tinha autoridade espiritual para isso) logo em seguida consagrou o levita, porque sabia que os levitas foram separados para o exercício dos serviços ligado ao tabernaculo. Por isso ele muda conforme as circunstancia. A sua conveniência é a sua autoridade. Ele move-se conforme aquilo que lhe vai trazer benefícios pessoais, e nada mais. Assim entendemos que o mover de muitos lideres da espécie de Mica seguem exatamente na mesma direção. Primeiro querem exercer primazia, querem ser patrões religiosos e não empregados. Querem exercer autoridade religiosa e sustentar a ilusão de que são escolhidos para uma missão especial; “ser líder”. Querem ter o direito de mandar, pra fazer segundo a maneira que lhes convém. Nada de escrituras, nada de submeter-se aos padrões bíblicos, nada de arrependerem-se de seus erros e pecados, não! Um líder cristão autentico, está disposto a ser corrigido em qualquer aspecto ou área da sua vida ministerial, porque é humilde suficiente para isso. Um Mica, segue seu rumo, Mica não quis saber se a sua “verdade” era de fato uma verdade. Quando alguém pensa que é um escolhido e que está acima das escrituras, nunca estará disposto a ser corrigido pelas escrituras. Eu conheço muitos Micas, que nunca estão dispostos a corrigirem-se quando ficam expostos á luz das escrituras, que o que praticam ou defendem é  o fruto de uma péssima exegese.  Mas eles continuam no erro, na teimosia do auto engano de serem “ungidos” de forma tão superior, que receberam o dote de infabilidade.

Mica era desqualificado porque não entedia corretamente o que era verdadeira espiritualidade, a exortação dada a Josué era ignorada ou desconhecida (Leia Josué 1:8) ele fez o que era correta aos seus olhos e não que era correto aos olhos de Deus. Ele era o dono da sua religião, não o Senhor. Ele era o administrador e não o Senhor, por isso mesmo ele fazia de acordo com o que ele achava ser bom para ele. Perceba o orgulho de Mica, ele poderia consultar o levita a respeito dos mandamentos, mas ele não quis isso. O levita era o empregado e ele o patrão, quem determinava o que era certo e o que era errado era Mica, sua opinião era o padrão de autoridade espiritual estabelecido para fazer a sua religião funcionar.
Mica era desqualificado, porque não tinha autoridade para “fundar” uma denominação judaizante. Poderia ter boas intenções, poderia ser sincero na sua conduta, mas ele não tinha autoridade para organizar uma seita judaico-pagã. Assim também hoje, muitos, ou porque não dizer a maioria, não tem o direito de promover divisões, dissensões e ou “fundar” ministérios aos moldes do contexto espiritual de Mica. Lideres com péssima exegese bíblica nunca pode promover a sã doutrina e a ortodoxia, e a falsa doutrina jamais promove a causa do evangelho. O que o micaismo pode promover é um surto de falso cristianismo sincrético. Os micaistas modernos inventam suas religiões buscando elementos cristãos e misturam com elementos do espiritualismo, da psicologia, da nova era, da metafísica do pensamento, do ocultismo, do paganismo, do xamanismo, do espiritismo e organizam sob o pretexto de “igreja Cristã” e enganam a muitos outros que andam no mesmo patamar espiritual. Há nesse mundo tantos “micas” enganadores, porque também há muita gente disposta a ser enganada.
Não estou admirado de ver tantos falsos profetas e tantos falsos mestres liderando suas próprias religiões e promovendo suas idéias e experiências subjetivas. Não me admiro de ver tantas inovações e bizarrices, tantos heresias e tantos desvios doutrinários, tanto fanatismo e tanta cegueira espiritual. A confusão confunde isso é lógico. Tudo isso é fruto do “micaismo” moderno, cada um faz aquilo que é correto. Seguem seus sentimentos e querem exercer primazia sob os demais, sentem-se donos de uma missão especial, os intocáveis ungidos que recebem revelação sobrenatural para fundar uma seita buscar arregimentar seguidores e promover a confusão. Tudo em nome da fé cristã, em nome de Cristo.  Fácil notar como conseguem construir impérios financeiros e viver uma vida regalada as custas da religião que fundou. Como conseguem satisfazer o ego e alimentar o orgulho próprio, encima do patamar que construíram.  Há um grito que ecoa desde Patmos: “Sai dela povo meu...”(Apocalipse 18:4)
Que possamos refletir sobre Juízes 17, a história de Mica sempre chamou a minha atenção, porém qualquer cristão comprometido com vida cristã equilibrada deve entender que procurar uma igreja bíblica, que promova sã doutrina, que tenha lideres capacitados ao ensino e ao pastoreio serio, igreja que seja cristocentricas e bíblica, cujos membros sejam ensinados a viverem andando no temor do Senhor e na consolação do Espírito Santo (Atos 9:31) onde os cultos sejam teocêntricos. Igrejas promotoras da ordem e da boa conduta, que estejam comprometidas a anunciar todos os conselhos de Deus (Atos 20:27). Sem duvida nenhum, igrejas com essas características são raras hoje em dia, porém elas existem. O Senhor preserva o seu remanescente em meio a confusão e a apostasia dos últimos dias.

Clavio Juvenal Jacinto









terça-feira, 18 de julho de 2017

A Integridade da Pregação Biblica

Maior dano causa ao homem, aquele que prega um falso evangelho, pois este é quem rouba do descuidado, tudo o que tem em si mesmo um precioso valor eterno (Clavio J. Jacinto)

Humildade bendita

Todo o homem conservará a pureza da humildade, se permanecer absolutamente em rendição numa contínua diminuição aos pés de Cristo (Clavio J. Jacinto)

Meu Descanso

Em ti Senhor encontrei
Perfeita e sublime paz
Tal qual repouso encontra
Um coração mais cansado
A sombra de um manancial

As estrelas testemunham
O céu e o resplendor do sol
Que minha alma encontrou
Em ti meu bendito Salvador
Precioso e eterno descanso

Clavio J. Jacinto

Na luz do Salvador

                              Na luz do Salvador

Do profundo escuro, ser que eu outrora era
Numa amarga noite quase eterna
Em que minha pobre alma, em dores jazia
Presa em pecados, tanto gemia
Vivendo todas as ânsias, uma vida vazia
Vi o resplendor como aurora
A luz Excelsa, que fez a escuridão ir embora
Que fez despertar minha alma do sono
Do mórbido pântano de meus pecados
Vi eu minha vida tão pobre e falida
Chamada desse obscuro e vil viver
A luz pura de glória e graça iluminou
Como o amanhecer em palácios de orvalhos
Deus agindo em meu resgate
Deu seu Único Filho para morrer por mim
Oh bendito amor e divina misericórdia
Libertou-me das trevas mais horrendas
Tirou minha alma do abismo e me salvou
Por seu Filho Eterno que por mim morreu
Em terríveis dores, minha sentença suportou
Com seu precioso e puro sangue me comprou
Hoje minha vida que outrora era trevas e horror
É salva e segura,  no Reino do Filho do seu amor


CJJ

quarta-feira, 12 de julho de 2017

Livro Grátis: Deus e Seus Decretos



Recomendo (Disponivel em Espanhol)

http://www.vor.org/ibg/catalogo/modulos/Dios-Decreto.pdf

Livro Gratis Sobre Exegese e Exposição Biblica




Altamente recomendavel (Disponivel em Espanhol)

Faça o download do Livro em

http://www.vor.org/ibg/catalogo/modulos/exe-expo.pdf

Verdadeiros Pregadores


Sobre o Caminho Estreito


Livro Grátis Sobre Doutrinas Cristãs




Faça o download do documento em:
http://www.vor.org/ibg/catalogo/modulos/doc-pal.pdf

segunda-feira, 10 de julho de 2017

TRATADO DA PRÉ EXISTÊNCIA DE CRISTO-O FILHO DE DEUS.



Pedro o apostolo e companheiro de ministério de Cristo escreveu: “O qual, na verdade, em outro tempo foi conhecido, ainda antes da fundação do mundo, mas manifestado nestes últimos tempos por amor de vós.” (I Pedro 1:20). Pedro fala de Cristo, o Cordeiro imaculado que morreu por nós.  Aqui Pedro afirma que Cristo já era conhecido antes de todas as coisas, sua pessoa era conhecida, sua divindade era conhecida, sua missão era conhecida, antes, muito antes de todas as coisas, “Ele estava no principio com Deus, todas as coisas foram feita por Ele, e sem Ele nada do que foi feito se fez”(João 1:2 e 3). Lá no principio de todos os princípios, o Verbo era Deus. E por si mesmo e no seu Pai, cria todas as coisas. Necessário seria que assim fosse, sendo Ele o criador e mantenedor, como testificas Escrituras “Sustentado todas as coisas pela palavra do seu poder”(Hebreus 1:3). Cristo tem o domínio e o controle de todas as coisas criadas, e sustenta, mantendo a ordem e a existência de tudo pelo seu excelso domínio. O próprio Cristo eterno testemunha sobre esse tão importante assunto quando diz “Todo o poder foi me dado no céu e na terra”(Mateus 28:18). Assim sendo, com tão grande poder, mantém a ordem das coisas criadas e administra ao lado do seu Pai bendito e nosso Pai misericordioso, todas as coisas.
Em hebreus 1:10 a 12 é uma menção direta do Salmos 102, atribuído então ao filho que foi introduzido no mundo quando as Escrituras testificam “E, outra vez, quando introduz no mundo o primogênito(Hebreus 1:6) Ele fez-se carne, e a sua carne nasceu, o Cristo 100% homem e 100% sem pecado, gerado pelo Espírito Santo, longe da semente corrompida do homem, e o Verbo se fez carne. Sendo ele 100% divino, nasceu, porém na sua humanidade, mas estabelecido no mundo pela introdução, pois “ele estava no principio com Deus” (João 1:2) ele torna-se humano, porém assim, nesse grandioso e profundo mistério, é divino e santo, digno de toda adoração “E todos os anjos de Deus o adorem”(Hebreus 1:6) Cristo é o grande mistério da bondade e da misericórdia de um Deus Pai justo, que manda seu Filho divino e puro para morrer pelos pecados do mundo “E, sem duvida alguma, grande é o mistério da piedade, Deus se manifestou em carne, foi justificado no Espírito, visto dos anjos, pregado aos gentios, crido no mundo, recebido acima na glória”(I Timóteo 3:16) Não é pois admirável que Deus tenha derramado seu próprio sangue por nós ?(Atos 20:28) Ele, o cordeiro de Deus que foi morto desde a fundação do mundo (Apocalipse 13:8) porque era conhecido desde os tempos eternos, sendo Ele mesmo chamado de o “Pai da eternidade”(Isaias 9:6) é o criador do tempo e o dono do tempo, Cristo o Senhor bendito do tempo e da eternidade, do futuro e do passado, pois Ele esteve sempre lá “Eu sou o Alfa e o Omega, o princípio e o fim, diz o Senhor, que é, que era, e que há de vir, o Todo Poderoso”(Apocalipse 1:8) “Jesus Cristo é o mesmo, ontem, e hoje e eternamente”(Hebreus 13:8) Cristo está dentro do passado, tem domínio sobre os tempos antigos, Ele estava lá, Cristo é 100% atemporal.

Agora vamos viajar no tempo, na época de Daniel, mais precisamente o ano de 580 AC,, três amigos de Daniel são colocados na fornalha, e então Daniel descreve a visão de Nabucodonosor, ele vê quatro homens soltos dentro da fornalha e o quarto é semelhante ao Filho de Deus (Daniel 3:25 ACF). Essa é uma visão extraordinária, porque ali está o Filho do Altíssimo,  em um tempo mais distante no ano de 1047 AC, quando Davi estava escrevendo o salmo 2, então vimos essa preciosa declaração: “Tu és meu Filho, eu hoje te gerei”(Salmos 2:7) que essa é uma atribuição a Cristo não há qualquer duvida porque encontramos a mês passagem em Hebreus 1:5 e ali faz uma clara referência a Jesus Cristo nosso Salvador. Assim como o próprio autor aos Hebreus menciona no capitulo 7 Melquisedeque que era rei de Salém e sacerdote do Deus altíssimo, rei da justiça e rei da paz, “Sem pai, sem mãe, sem genealogia, não tendo princípio de dias, nem fim de vida, mas sendo feito semelhante ao Filho de Deus”(Hebreus 7:3) O mistério de Melquisedeque desvenda-se na pessoa de Cristo, como uma figura clara do Filho de Deus, e este não tem principio e nem fim de dias, demonstra de forma clara que a preexistência do Filho amado que existe de eternidade a eternidade, como revela s paginas preciosas da bíblia sagrada.
Cristo sendo em forma de Deus (Colossenses 2:6) esvazia-se, ou melhor, submete-se a vida humana, torna-se o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo, ainda testificam as escrituras que Cristo entrou no mundo “Por isso entrando no mundo diz...”(Hebreus 10:5), então segue as palavras no mesmo versículo: “Corpo me preparaste” ou ainda como lemos em outra parte “Mas esvaziou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens”(Filipenses 2:7) e então prossegue “E, achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até a morte, e morte de cruz”(Filipenses 2:8), esse é o processo para a via da redenção, o Verbo se faz carne, mas o Verbo era Deus porque estava no princípio com Deus, isso é revelado de forma clara, lendo o primeiro capitulo do Evangelho de João, que Cristo já existia na sua plenitude divina, antes de todas as coisas,  desde a eternidade. Muitos não compreendem isso, não querem aceitar o fato da glória eterna do Filho amado, não podem aceitar algo tão grande relacionado ao que se fez servo humilde, entrando nesse mundo através de uma manjedoura e longe dos palácios, nem mesmo os judeus poderia aceitar que fosse tão extraordinário a descida ao mundo do Filho Eterno, e diante de seus opositores, cristo declara para todos seus oponentes: “Antes que Abrão existisse, Eu Sou”(João  8:58) sim antes de Abrão nascer Cristo já existia, antes de Abrão ser chamado, Cristo já existia, antes de Abrão partir para a terra da promessa, Cristo já existia, antes de Abraão levar seu filho Isaque para o sacrifício, Cristo já existia, antes de Abrão volta com seu Filho dos montes de Moriá, cristo já existia...”E agora,  glorifica-me tu, ó Pai, junto de ti mesmo, com aquela glória que tinha contigo antes que o mundo existisse”(João 17:5  veja também 17:24).
 Falar acerca do Cristo eterno é algo maravilhoso, tal assunto faz bem a alma, Paulo fala sobre a excelência do conhecimento de Cristo (Filipenses 3:8) Sim Ele “cujas saídas são desde os tempos antigos, desde os dias da eternidade” (Miquéias 5:2), parece-me que o assunto é muito claro nas escrituras. Vejamos o Sábio Salomão falando sobre a suprema e majestosa sabedoria em Provérbios, ali está a sabedoria na sua realidade mais ampla, “O Senhor me possui no principio de seus caminhos, desde então, e antes de suas obras. Desde a eternidade fui ungida, desde o principio, antes do começo da terra...”(Provérbios 8:22 e 23) Aquela sabedoria tipifica o Cristo desde os tempos eternos, pois no Novo Testamento Paulo associa essa mesma sabedoria com a Pessoa bendita do nosso Salvador, quando diz “Em quem estão escondido todo os tesouros do conhecimento e da sabedoria”(Colossenses 2:3). Cristo é eterno, Ele estava  lá, desde a fundação do mundo, é a segunda Pessoa da Bendita Divindade, única na sua substancia Eterna, doutrina verdadeira cravada na realidade suprema das Escrituras, cada cristão deve firmar no coração essa bendita verdade acerca de Cristo e “Não movais facilmente do vosso entendimento”(II Tessalonicenses 2:2)
O Filho Eterno era no principio o verbo, o Logos pessoal é eterno, tudo foi feito por Ele, e sem Ele nada do que foi feito se fez, isso é o que testifica as Escrituras inspiradas pelo Espírito santo. Se tudo foi criado por Ele, é fato que de eternidade a eternidade, atribuindo a paternidade da eternidade ao Filho (Isaias 9:6) é correto que o tempo eterno concorre para o seu centro que é o próprio Cristo “De tornar a congregar em Cristo todas as coisas na dispensarão da plenitude dos tempos, tanto as que estão nos céus como as que estão na terra” (Efésios 1:10) “Para que ao nome de Jesus se dobre todo o joelho dos que estão nos céus, e na terra, e debaixo da terra. E toda a língua confesse que Jesus Cristo é o Senhor, para a glória de Deus Pai”(Filipenses 2:10 e 11) claro que assim deve ser, pois Cristo é um com Deus, é o Filho sem contudo ser o Pai, mas de tal modo numa unidade tão perfeita, que os homens imperfeitos não podem entender tal mistério, aliás as doutrinas mais profundas precisam ser reveladas pelo Espírito Santo, de outra forma, fica-se alheio e perdido em meio as idéias religiosas, como “Veio para o que era seu, e os seus não o receberam”(João 1:11) mas Cristo vem na plenitude do tempo, sai da eternidade e entra no tempo, para dar a si mesmo em expiação pelos pecadores, mas não somente isso “E  demonstrar a todos qual seja a comunhão do mistério que desde os séculos esteve oculto em Deus, que tudo criou por meio de Jesus Cristo”(Efésios 3:9) Cristo estava lá no começo, numa ação criadora participativa com seu Pai, bendito seja o Cordeiro, o Verbo que se faz carne, conhecido desde a fundação do mundo, antes de fechar o Canon das escrituras, no livro de Apocalipse, uma das ultimas palavras de Cristo confirmam tudo isso que tenho escrito: Eu sou o Alfa e o Omega, o principio e o fim, o primeiro e o ultimo”(Apocalipse 22:13) Crê você em cristo conforme diz as Escrituras? (Leia João 7:38)

Autor:  Clavio J. Jacinto


A Origem da Confusão


Desastre Religioso...


Experiencias Subjetivas


Ego Entronizado


sexta-feira, 7 de julho de 2017

Apostila Sobre Guerra Espiritual-Grátis


Recomendo! acesse o documento em PDF e salve em seu computador ou imprima

http://prunch.org/documentation/PORTUGUESE/001-Guerra_Espiritual_Biblica/Guerra%20Espiritual%20B%C3%ADblica.pdf



Sabado X Domingo-Apostila Gratis




http://prunch.org/documentation/PORTUGUESE/003-Topicos_Biblicos_E_Doutrinarios/s%C3%A1bado%20x%20domingo.pdf

Cronologia da vida de Cristo-apostila Gratis


Recomendo! Material bem elaborado....
                 

 http://prunch.org/audio/cristologia/01%20Vida%20de%20Cristo-roteiro.pdf

Footer Left Content