segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

A Ação Precede a Realização





Muitas vezes o que nos falta é a determinação da fazer o que é necessário para que possamos ser verdadeiros. Eis a questão. Através dessas máximas abaixo, talvez possamos compreender o valor das ações na nossa vida

1- O s sonhos sempre serão sonhos, a menos que estejamos dispostos a agir. A ação é o fundamento da realização de cada projeto pessoal.
2- Só consegue descobrir coisas novas, quem ousa sair e liberta-se da sua própria rotina.
3- Aquele que avança, mesmo que seja um passo só, ainda estará na frente daquele que ficou conformado no lugar em que se encontra.
4- As vezes não precisamos que as circunstancias nos empurre para o novo, a coragem pode nos dar força necessária para isso.
5- As vezes precisamos estar determinado a prosseguir sem um caminho, apenas confiando na presença de Deus que nos acompanha.
6- Em Cristo aprendemos a lei da determinação pessoal, há uma missão no mundo, e devemos sempre construir as pontes nas nossas ações, pontes que nos levem para lá.
7- Temo por aqueles que ficam estagnados, pensando que a neutralidade é um dom da conquista.
8- A vida não é feita de sonhos que correm atrás de nós, a vida é feita das conquistas que nós corremos atrás.
Que tenhamos a ousadia de nos levantarmos e prosseguir na vida, agindo conforme os propósitos e os princípios de nossas convicções.

Clavio J. Jacinto

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

Devemos Tomar cuidado com Nossos Pensamentos?

O cristão deve ser sensível ao mover do Espirito, de outra forma perde a direção que o Senhor quer que ele ande. Creio que um dos problemas básicos do cristão moderno é a sua perda do racional, do real. Somos propensos a ilusão, ao imaginário. Uma vez que o mundo dos pensamentos é um mundo sem limites e as restrições são firmadas apenas pela sinceridade de uma vida interior plena de obediência e temor a Deus, muitos perdem os limites e são corrompidos por dentro, justamente porque a vida de dentro não corresponde com as suas palavras e as suas ações, no que está relacionado a fé cristã. Essa é a essência da hipocrisia, quando o eu ainda domina bem escondido dentro do coração o mundo imaginaria está completamente aberto a toda a sorte de ilusões.(Colossenses 3:1 a 4)
Veja bem, nunca devemos se acostumar com injustiça dentro de nós. Se a imaginação e o mundo do pensamento não confronta e rejeita o irracional e errado, pouco a pouco a vida exterior refletirá isso. G. K. Chesterton certa fez disse: ""Quando as pessoas se acostumam com o irracionalidade, não mais se espantam com a injustiça" 
 Nossos pensamentos são importantes, é dele que se origina todas as nossas ações, e é claro que Cristo ensinou isso com muita precisão, para nos advertir que o mundo interno de nossos pensamentos precisam estar alinhados com os padrões divinos.(Leia Mateus 15:19 e 20) Cito mais uma vez G. K. Chesterton, que também disse com muito discernimento que: "toda a injustiça começa na mente, e as anomalias acostumam a mente á ideia da irracionalidade"
 Pensar é agir dentro de um mundo interno, um mundo que se expande para o exterior, e devemos tomar os cuidados necessários para que todo o nosso pensamento seja levado cativo a Cristo (II Corintios 10:4 e 5)

Clavio Juvenal Jacinto

Sensibilidade Profética e Percepção Espiritual



 Cada cristão que deseja servir a Deus com fidelidade e amor, precisa voltar-se para os conselhos divinos e tomar cuidado com a vida espiritual. A prudencia e a vigilância são exigências básicas para um verdadeiro filho de Deus (Lucas 21:36). Se não existir discernimento espiritual e sensibilidade profética na vida de um cristão devoto, a probabilidade de ser enganado é muito grande. Vivemos dias de muito engano, e sem discernimento e sensibilidade, caímos em campo minado como um cego a vagar sem direção. Vejamos alguns erros fatais na vida religiosa de alguns pela falta do discernimento e da sensibilidade:
“...E não o perceberam até que veio o diluvio.” (Mateus 24:39)
“Sabeis discernir a face dos céus e não conheceis os sinais dos tempos?”(Mateus 15:3)
“Nos últimos tempos, alguns apostatarão da fé” (I Timóteo 4:1)
“E desviarão os ouvidos da verdade, voltando as fabulas” (II Timóteo 4:4)
Não há duvida! Se não tivermos discernimento e sensibilidade, corremos grande risco. A maioria está enganada justamente por causa disso. Embora supostamente existam tantas igrejas e denominações, hoje é um tempo de engano. Alguns desejam expressar o contentamento de que vivemos um grande avivamento, mas n a verdade vivemos uma grande decepção. Não sou pessimista, nem desejo ser, mas ser realista não é ser pessimista.  Se assim for, então devemos considerar as advertências proféticas como extremamente negativas e pessimistas, porém sabemos que a verdade é que os dias são difíceis e essa também é uma geração adultera.
Perceber significa sentir, como a mulher que está gravida sente os sinais do parto quando chega a hora de dar a luz.  Isso é sensibilidade espiritual. Se as escrituras nos advertem:
“Que ninguém de maneira nenhum vos engane”(II tessalonicenses 2:3)
Devemos ter cuidado, um cuidado zeloso, algo acima da média, porque vivemos numa geração de enganadores professando falsos evangelhos fruto de falsos pregadores que proclamam outros evangelhos. Antigamente  o desviado era uma pessoa que deixava Cristo e a igreja e voltava-se para o mundo. Hoje, as pessoas se desviam sem precisar deixar a igreja e nem precisa ir para o mundo, porque o mundo já está dentro da igreja. O desviado da nossa era do engano, se desvia da verdade, ouvindo falsos discursos, sentando no banco de um templo e assistindo uma programação religiosa, não foi isso que Paulo ensinou? “E se desviarão algum da verdade...”. A falta de discernimento é tão grande, tal confusão é nítida e assustadora em nossos dias. Qualquer um que professe uma religião com alguns versículos bíblicos, é considerado cristão e é convocado a unidade e a irmandade.  Sem essa sensibilidade profética, não há como separar o falso do verdadeiro.  Tal sensibilidade de que tanto falo, nos ajuda pelo conhecimento correto, contextualizado e equilibrado das escrituras a perceber onde a verdade está sendo pregada.
Nossa época é sinalizada por escândalos religiosos de grande magnitude, igrejas tornaram-se instituições empresariais, cujo impostos são os dízimos que são colhidos para sustentar uma elite hierárquica que transformou  a vocação em profissão. Por isso, as disputas por um cargo alimentado pela intima avareza, impulsiona muitos a almejarem um titulo eclesiástico para participar da maquina monetária e adquiri alguns niqueis para construir seus impérios pessoais e satisfazer seus desejos mais egoístas, tudo isso com a fina mascara de ser um cristão. Enganam porque citam a bíblia, argumentam que fazem por obediência as escrituras, e se isso fosse correto, poderíamos dizer sem medo de errar que os judeus religiosos que  tanto desejaram a morte de Jesus, fizeram isso argumentando com Pilatos que Jesus merece a sentença de morte porque a lei contida nas escrituras punia os blasfemos, o que eles quiseram dizer ara pilatos senão que “Nós cremos na bíblia e usamos a bíblia para argumentar a favor da morte de Cristo. (João 19:7 com Levítico 24:16) por isso eles de alguma forma eram “bíblicos” num sentido bem literal, porem eram falaciosos com relação a sua interpretação. Hoje é assim, se você simplesmente conclui que um pregador ou mestre é verdeiro, só porque tem um titulo eclesiástico e cita versículos da bíblia, então você é um candidato fatal ao engano. Tal pregador ou ministro, pode ser até mesmo um “doutor” porém seu conhecimento é falacioso, pedro fala sobre os falsos doutores (II Pedro 2:1) Paulo adverte: “Porque virá tempo em que não suportarão a sã doutrina, mas tendo comichão nos ouvidos, amontoarão para si doutores, conforme as suas próprias concupiscências. (II Timóteo 4:3). A palavra grega traduzida por doutores aqui em Timóteo é ‘”didaskelo” um ensinador e instrutor, já em II Pedro 2:1 a palavra grega é “pseudo didaskelo”, referindo-se a falsos doutores, justamente porque ensinam doutrinas e conceitos falsos com relação a fé cristã. Todas essas admoestações são feitas alertando que tais coisas ocorrerão dentro do cristianismo. Toda a heresia que se forma dentro da cristandade arrebata mais vitimas do que as que se originam fora da cristandade. E lembre-se que não importa o quão absurda passa a ser um falso ensino, há sempre gente disposta a ouvir e seguir os falsos mestres.  Quase todos os que são vitimados por engano religioso continuam dentro dos movimentos que dão cobertura aos falsos mestres. A maioria não sai, seja por ignorância ou por conveniência. Como os judeus que reconheciam a veracidade do ensino e da pessoa de Cristo, ma não abandonavam a sinagoga porque não queriam perder seus privilégios religiosos. A conveniência fala mais alto e o medo de ficar ao lado da verdade, mesmo a custa de sofrerem sanções religiosas, criticas e desprezo dos ditos “irmãos”. É sobre esse tipo de covardia que as escrituras falam em Apocalipse 21:8, os covardes que temem viver a verdade, ainda que seja de modo peregrino como foi Enoque. Quem não se desliga de um sistema falso, se associa com os enganadores e financia de alguma forma os falsos profetas. Não é de admirar que ao referir –se sobre a religião prospera e confusa, a espiritualista babilônia misteriosa, Cristo convoca aos santos: Sai dela povo meu. Cristo odeia o sistema monetário religioso que negocia por conveniências e manipula a ordem das coisas para a satisfação egoísta.(Apocalipse 18:4)
Nesses últimos dias, precisamos olhar para os sinais que procedem de dentro da cristandade e não de fora. Embora os sinais exteriores sejam importantes as escrituras porém dão uma enfase especial sobre o que ocorre dentro da cristandade. Apostasia, multiplicação da iniquidade, doutrinas de demônios, falsos profetas, tudo isso são coisas que ocorreriam dentro da cristandade.  Por exemplo , a maior parte dos falsos profetas ocupam os púlpitos ou ocuparam os púlpitos das igrejas da cristandade, não fora mas dentro da cristandade. Veja quantas vezes já foram preditas a volta de Cristo somente nos últimos 200 anos, um numero enorme de ensinadores calcularam a vinda de Cristo ou o arrebatamento, com datas precisas dia e ano e no entanto o que houve senão uma falacia e um erro de calculo! Tudo isso dentro e não fora do cristianismo. Olhe para os casos mais escandalosos de desvios doutrinários. Jim Jones tinha um grupo enorme de seguidores, que estavam dispostos a segui-lo por lugares mais inóspitos como a selva amazônica da Guiana na década de 1970. Anos atrás 76 seguidores da seita cristã Ramo Davidiano, seguiram seu líder Davi Koresh para a morte, na cidade de Waco, Texas, Estados unidos da America. Como vimos pessoas sem sensibilidade e discernimento espiritual acabam sendo vitimas do engano em grande escala que opera de forma sutil em nossos dias.
E isso pode estar acontecendo com você e muita gente a sua volta, você pode estar sendo vitima de engodo religioso disfarçado de religião cristã. Sei que muitos leitores vão opor-se a isso, mas o nível de manipulação, de engano, de falsos profetas é alarmante! A cristandade está infectada com uma doença espiritual terrível e isso é o resultado da grande apostasia. Sei que existem igrejas serias e pastores sérios, conheço muitos desses, mas eles são poucos. 
 é uma raridade em nossos dias você encontrar igrejas sérias e lideres comprometidos com a verdade, que ainda estão pregando o evangelho e vivendo o evangelho. Esses são a nossa salvaguarda, as cidades de refugio, daqueles que possuem um minimo de coerência, e estão dispostos a viver na plenitude dos últimos dias, sem ter relacionamento com a babilônia religiosa e monetária que atua em nossos dias disfarçada de religião cristã.
Por outro lado, também é raro você encontrar em nossos dias, pessoas que vivem num sistema de engano, sair dali. O medo e a conveniência falam muito alto, aliás muitos amam isso, e a prova é que sempre se opõem e criticam quem prega de modo a denunciar toda essa decadência religiosa própria do nosso tempo de engano religioso.
Por estarmos inseridos nesse sistema religioso corrupto, somos chamados a sairmos para fora dessa confusão e nos apegarmos a  crentes bíblicos e nos congregarmos numa igreja bíblica. A buscar boa literatura que ainda nos fornecem bom alimento espiritual e ouvir bons pregadores que por sua capacidade nata dada pelo Espirito do Senhor, ainda podem pregar um bom sermão bíblico sem omitir nada daquilo que o Espirito Santo inspirou no livro sagrado. Pregadores que ainda estão sendo sustentados pela graça e que não estão se importando com a fama e a glória dos homens, muito menos em viver de forma regalada as custas da religião. Como os lideres anabatistas, da reforma radical, estavam dispostos a pregar por amor ao custo do salario do martírio não do conforto e do dinheiro. Você entende? o verdadeiro líder é aquele que quer morrer pela fé e não ganhar o ouro por intermédio da  religião.

Abra teus olhos, volte-se as paginas do Novo testamento, leia e medite nos ensinos de Cristo, confronte tudo, todo o ensino das escrituras com a sua vida. Avalie a sua fé e suas convicções doutrinarias, os sermões que ouve, avalie o estilo de vida da sua congregação, avalie a cosmovisão doutrinaria da instituição em que você esta associado, confronte tudo a luz das escrituras de forma sincera e coerente. Só assim você vai desenvolver uma sensibilidade profética, ou seja; a percepção de que o engano pode bater no seu coração e a responsabilidade de andar vigilante e com muita prudencia. Da mesma forma você irá aquirir discernimento espiritual, ou seja a capacidade de ver erros doutrinários, falacias, enganos, doutrinas de demônios e evitar as heresias destruidoras. Só assim poderemos andar na luz das escrituras (Salmos 119:105) viver com prudencia e de forma segura na presença de Deus.

Pr Clavio J. Jacinto

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

Atomo de Prata-Maravilhas da Criação


O Hipócrita e o Pescador



Peter Laranja era um daqueles devotos piedosos que encontramos por ai, um doutor sabe tudo, nutrindo uma espécie de orgulho demasiadamente doentio. Era o super espiritual, via erros em todos e pecado em tudo. Andava condoendo-se da maldade do mundo, e dizia consigo mesmo em tom de exaltação dantesca que jamais poderia cometer tamanhas baixezas e vilezas como via nas camadas mais frouxas dos piedosos do mundo. O que poderia ser desses homens sem ele,
considerava-se o fanal mais potente da sociedade, vivia sob a cobertura de Zé Cego, que lhe dava muitos conselhos e apoiava sua missão espiritual. Carregava uma lista de “coisas erradas” que um piedoso jamais poderia cometer. Não toque, não proves etc. Havia um extremo zelo por opiniões pré concebidas da sua nobre seita. Um ideal elevado de ser melhor do os outros.
Nem mesmo as estrelas eram puras aos seus olhos, o azul celeste não era digno de contemplar suas “virtudes” porque era manchada com o manto da noite escura. A lua não era digna de iluminar seus passos, pois ela mesma parecia ter um lado oculto que nunca revelava aos pobres mortais.
Peter Laranja construiu uma refinada mascara para cobrir seu coração. Era isso que via em seus nobres companheiros de prisão religiosa, exemplos frutíferos de uma espiritualidade doente. Mas aos espelhos da própria alma, eram os seres mais elevados do sistema.
Um dia Peter Laranja estava a mesa de um de seus concidadãos da esfera da amizade, comia pão e bebia de um bom refresco de limão, sorria com toda a força para tentar mostrar seu grande amor pelo próximo. Após a longa conversa e o desjejum saboroso, Peter Laranja vai pra casa e no outro dia conversa com seus concidadãos da filosofia religiosa, a confraria dos seres mais destilados do alambique da religião sem conteúdo interior, pra criticar e murmurar com a mais horrenda e nebulosa dureza, o semelhante que outrora tinha lhe dado uma refeição tão nobre.
Peter Laranja seguia suas caminhadas pelas veredas de piedade faraônica. Um dia encontrou um pescador com um aquário, havia ali tantos peixes coloridos, que aquele bom pescador cuidava, com requintes de carinho, colocando a ração diária aos peixinhos. Peter Laranja ficou enamorado da cena, intrigante por um pescador simples, da roça, cuidar com zelo os peixinhos que foram tirados do oceano dos perdidos, e elogiando num tom certo de que as palavras suaves cativam os ouvidos incautos, perguntou se não poderia colocar dentro do aquário um peixinho de estimação que ele tanto apreciava e que por mero segredo, estava vivendo em um balde, na sua casa. O pescador, inocente, confiante nas palavras suaves de um pseudo piedoso, que por dedução era dono de ar rarefeito no espaço mais sutil do orgulho religioso, permitiu que Peter piedoso colocasse seu estranho peixe de balde pra conviver com os outros peixinhos dentro do aquário. Depois de alguns dias, o inocente pescador, como de costume, vai apreciar a cena de seus lindos
peixinhos flutuarem nas águas límpidas do seu aquário e nota que o peixe do balde, do Peter Laranja estava com a barriga cheia e os outros peixinhos coloridos haviam desaparecido.
Amargurado o pescador corre em protesto contra Peter Laranja que numa risada sonora e sinistra disse que não sabia que seu peixe iria devorar os peixinhos alheios, e que conversou com o dito peixe guloso e devorador, que respeitasse o ambiente alheio da sua nova morada. E em tom soberbo, tomou o aquário do pescador e retirou seu peixe guloso, e num ar confiante seguiu pra encontrar a sua turma e contar sobre o milagre maravilhoso de ter visto um peixe de balde, na sádica missãopiedosa de engolir meia dúzias de peixes de igual tamanho;
Peter Laranja argumentou com seus devotos que aqueles peixes de aquário eram muito vaidosos, por serem tão coloridos e que o pescador era um cego que idolatrava seus peixinhos, por isso teve a nobre missão de disfarçar-se de homem bom, para ganhar a confiança do pescador para inserir o peixe de balde no aquário pra devorar os peixinhos coloridos e salvar a alma dos peixinhos da vaidade e a salvar a alma do pecador da idolatria.
Moral da história: Todo o hipócrita tece uma mascara de boas intenções, para argumentar com base na sua postura falsa, que o resultado de suas astucias não foram intencionais, mas a providencia conseqüente de suas obras de santidade.


Clavio J. Jacinto

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

Tres Livros Apologéticos Grátis

Tres livros sobre apologética Cristã inteiramente grátis, aproveito também para indicar a pagina apologetica da Napec, os irmãos respostaveis pela pagina fazem um excelente trabalho, bons artigos de edificação e defesa da fé. Link abaixo



Confira e faça o download

http://www.napec.org/category/napec/ebooks/

Viver o Evangelho


Amor ao Próximo é Compromisso com a Verdade


A SINDROME DE NABUCODONOSOR



 A Babilônia teve um monarca extremamente egocêntrico, seu nome era Nabucodonosor, no auge do seu egoísmo infectado pelo orgulho, ele declara ser possuidor de atributos divinos e exalta-se a si mesmo dentro do próprio coração. Os degraus do seu ego, o levou a auto-idolatria, e como esse pecado é extremamente vil, impossível será encontrarmos alguém que sendo afetado pela idolatria do seu próprio ego, não deseje que os outros se prostrem ou aplaudam a ele como o centro da criação.  O caso de Nabucodonosor é narrado precisamente em Daniel 4:37 a 39. Ele está no auge da sua visão de seu próprio mundo, a Babilônia. Seus palácios, suas ruas, os templos, o muro, as pessoas e seu coração se exaltou sobremodo que ele se via como o sol em que toda a poeira cósmica, os homens, deveriam girar e gravitar. Essa era a visão o monarca tinha de si mesmo. Seu orgulho era um monstro cego que clamava por adoração dentro de si.
Em Atos 12 Herodes Agripa parece que sofreu da mesma síndrome,  alvo de idolatria, aplausos e fama, ao lado de gente disposta a adorá-lo como uma divindade, por não ter dado glória a Deus, mas por ter roubado a glória que pertence ao Senhor,  sofreu as  duras penalidades. Como em uma frase de George Eliot, que dizia que o galo pensava que o sol se levantou para ouvi-lo cantar, há em nosso mundo pessoas que acham que o sol os planetas e todas as pessoas giram em torno dele mesmo.  Ainda que parecia ter um exercito invencível, Senaqueribe acabou perdendo seu exercito e do poder temporal caiu para a desgraça da morte prematura, abatido pelos próprios filhos. (Isaias 37;36 a 38) Não há como não fazer coro com Salomão em Eclesiastes: vaidade das vaidades, tudo é vaidade.

É certo que Deus abate os orgulhosos e exalta aos humildes. Cristo demonstrou sua humildade lavando os pés dos discípulos, ato considerado como ofício de escravos, porém as escrituras afirmam  ser ele a imagem do Deus invisível (Hebreus 1;3) e que tudo foi feito por Ele e sem ele nada do que foi feito se fez. (Leia João 1:1 a 3)
O egoísmo e o orgulho são doenças próprias do humanismo, preocupa-me como o  evangelho moderno tende a fabricar seus ídolos, como tanta gente se inclina a vaidade de  desejar ser o centro onde as coisas religiosas e os religiosos devem gravitar.  Da religiosidade cristã moderna, nasceu os palcos, os picadeiros onde pessoas começam a se projetar, cantando ou pregando, fazendo fortunas e ganhando espaço para agigantar seu ego. A fome pelos aplausos, a fama, o êxito, a glória dos homens infecta grande parte dos artistas e pregadores, pastores e pessoas que a cargo de títulos eclesiásticos, se auto-definem como se fossem divindades ou seres superiores cujo universo deve girar em torno deles. Essa é a marca distinta dessa geração de religiosos distantes do evangelho.  O mundo trai a confiança e os mundanos seguem essa regra de que os que aplaudem pregadores e cantores que usam de técnicas para receber fama precisam reajustar toda a cosmovisão espiritual de acordo com os valores do mundo, de outra forma, o que virá é perseguição, ódio e desprezo. Num mundo relativista que dá espaço para uma religião evangélica apostata, não há espaço para pregadores sérios, que ainda preguem a mensagem da cruz, e nem há espaço para quem deseje cantar para glorificara DEUS. O mundo dita seus valores e suas regras, e quem não amolda-se a esses valores será descartado, rejeitado, criticado e perseguido. Adverte Paulo que aquele que deseja seguir o caminho da santidade, será perseguido por esse mundo ( II Timoteo 3;12)
A síndrome de Nabucodonosor é um grande problema no sistema evangélico atual. A moda é ser artista, copiar artistas, é projetar-se e construir um império encima de uma função. Para que isso de certo, a natureza de uma mensagem ou de um cântico deve corresponder ao sistema; deve ser comercial, não beligerante, não confrontadora, então precisa adaptar-se aos princípios de marketing.   Mensagens de auto-estima, uso de técnicas psicológicas,  estratégias diversas, como meio de arrancar fortes emoções de ouvintes, o homem é o centro sempre, como diz as escrituras, que um abismo chama outro abismo. Para receber aplausos dos ouvintes, o artista religioso precisa cantar ou falar aquilo que o ego humano deseja ouvir. Daí os chavões usados, as gírias espirituosas que tanto ouvimos hoje, são esses os mecanismos psicológicos que ajudam na elaboração do show. Não é de admirar que pregadores que evitam a mensagem da cruz, chame pessoas ao arrependimento, proclame os juízos divinos, denuncie os pecados mais aberrantes de nossa época, denuncie as falácias religiosas do deus desse século, pregue sobre a humildade e a obediência ao evangelho, são os mais proeminentes da nossa época, do contrario não irá se projetar no sistema, ele pode conseguir espaço por causa do seu zelo e insistência em prol da verdade, mas não terá o apoio de uma cristandade apostata.
É por isso que vimos a religião moderna como uma enorme indústria de entretenimento, a igreja deixou de ser uma agencia que proclama a cruz de Cristo e as verdades fundamentais do evangelho, deixou de proclamar a verdade que envolve a morte de Cristo e a sua ressurreição, para promover a diversão, e transformar as reuniões em imensos ambientes de controle emocional. Usam-se os chavões como meios, para que se torne uma válvula de escape para aliviar o peso do sofrimento humano, mesmo que o efeito seja apenas temporariamente anestésico, torna-se uma válvula de escape para dar alivio a todo tipo de tensões e problemas que se alojam na alma humana.
A promoção da fé mágica, que dá alivio imediato e resolve os problemas materiais e sentimentais do homem ocupa a agenda dos mensageiros do engano. É lógico que tal assunto está em voga na maior parte dos púlpitos modernos.  Primeiramente foi os adeptos da Nova era e do movimento espiritualista que proclamaram isso. a auto-estima, o pensamento positivo, a religião mágica que dá ênfase ao poder da mente,  o mito de determinar que um fato aconteça de acordo com a vontade egoísta do homem, o pregador moderno geralmente trata o pecado como se fosse uma ilusão, como se não existisse, tal como já defendia a ciência cristã.  As mensagens positivistas, de auto-exaltação, do triunfo pessoal, do pensamento positivo e voltado em direção das riquezas, isso já era proclamado pelos espiritualistas como Napoleon Hill e outros. Parte dos conceitos de fé e pensamento positivo que ouvimos com tanta freqüência nas mensagens modernas,  não tem suas origens nos pregadores e teólogos do passado, muito menos na bíblia, mas tem uma descarada influencia das religiões orientais.
A tentativa de manipular as circunstancias através de uma suposta fé, nunca foi ensinado nas escrituras como se fosse uma fé verdadeira.  Isso nada mais é do que espiritualismo descarado! Note que a ausência de sermões que denunciem os pecados dessa geração, que se oponha ao mundanismo que está cravado no seio da igreja apostata, sermões que preguem arrependimento e abandono dos pecados, não são proclamados, tal como fazia toda uma geração de pregadores, como eram os puritanos por exemplo. Tudo isso são provas de que estamos vivendo em uma era de enganos. Mas é justamente esse o perfil de um pregador ou cantor que deseja fazer sucesso e ganhar dinheiro. Pouco a pouco muitos homens não convertidos, descobriram que a igreja moderna é composta de uma vasta multidão de gente sem discernimento, e introduziram encobertamente os meios necessários para explorar a credulidade dessa gente. Assim como livros de auto-ajuda vendiam aos milhares no mundo, porque não introduzir essa técnica nas musicas e nas pregações? Até hoje, a maioria daqueles que se constituem os “evangélicos modernos” não percebem essa invasão profana, justamente porque nunca tiveram um contato com o verdadeiro evangelho para terem um discernimento eficiente para perceber esse engano.
Assim, encontramos agora um exercito de “ungidos” supostamente intocáveis, que afirmam serem enviados celestes com títulos pomposos, pregando coisas arrogantes e vivendo debaixo de uma vida cheia de regalias e confortos. Alguns vivem sustentando de forma oculta a avareza e minam as bases fundamentais do evangelho com suas mensagens metafisicas, satisfazendo os desejos egoístas, de serem adorados, idolatrados, aplaudidos, etc. Essa é a síndrome de Nabodonosor, e toda a nossa geração (salvo um pequeno remanescente) está contaminada por esse desvio da ortodoxia. , com certeza o drama dessa apostasia pode ser vista do ângulo mais real: a igreja corrompida sustenta esses falsos profetas, esses falsários religiosos, que enganam os incautos com sua teologia soberba para alimentar a auto-idolatria, tudo isso no mais pomposo sentimento de que são enviados especiais de Deus com uma missão nesse mundo. Não disse Paulo em Colossenses 2;8 que deveríamos ter cuidado, para que ninguém nos faça presa por meio de filosofias e vãs sutilezas, segundo a tradição dos homens, segundo os rudimentos do mundo?

Era hora de acordar desse sono. Cristo nos convida a humildade, a colocar o reino de Deus em primeiro lugar, não nossos sonhos e opiniões. A viver com piedade e contentamento, não em avareza e idolatria.  Ainda resta uma via de ortodoxia nessa confusão babilônica, são as veredas antigas, quem deseja caminhar por elas? As veredas antigas, um caminho arcaico aos olhos humanos, mas um caminho seguro para a comunhão com Deus pelo caminho da obediência. 

Pr Clavio J. Jacinto

terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

Como Eram os Dias de Noé?

Jesus associou seu sermão profético de Mateus 24 com os dias de Noé (Mateus  24:38 e 39) que paralelo pode existir entre o mundo anterior ao diluvio e o fim dos tempos? 
As palavras de Cristo falam que o povo daquela civilização antiga, comiam e bebiam, casavam-se davam-se em casamento, isso significa que eram gente que viviam uma vida prospera e desfrutando dos prazeres da vida. Gênesis 6: 1 a 12. Nos dá mais alguns complementos informativos e precisamos juntar isso com as palavras de Jesus “Então viu o Senhor que a maldade do homem se multiplicava sobre a terra e que toda a imaginação dos pensamentos de seu coração era só má continuamente”(Genesis 6:5)
Então o comer e beber daquela gente era associada a extrema corrupção moral e espiritual, e o casamento era uma especie de casamento corrompido. Podemos concluir que era uma civilização materialista e moralmente corrompida.  Nesse caso, há um paralelo muito próximo com o que estamos vivendo
A civilização anterior ao diluvio se concentrou na região da Suméria provavelmente, Uruk seria a primeira cidade edificada ali naquela região, era uma especie de metrópole, com certeza existiu agrupamentos de pessoas que organizaram pequenas cidades, as escrituras registram que a primeira cidade foi Enoque, o titulo da cidade foi o nome de seu próprio fundador, o filho de Caim (Gênesis 4:17) Cidades reconhecidas pela arqueologia que remontam aquela época são Nippur, Larak, Bad Tibira, Eridu, Sippar, Shuruppak, Urupak  e Ur ,essa ultima cidade  foi reerguida depois do diluvio, pois Abraão viveu e foi chamado pelo Senhor quando vivia lá.  A Babilônia antiga parece ter sido erguida sob os escombros de uma dessas cidades antigas: Urupak.

Tudo indica que essas cidades eram prosperas, ali eram erguidos grandes templos chamados de “Zigurates” talvez dessas construções surgiram a ideia das piramides Egípcias. Arqueólogos tentam reconstruir maquetes e modelos dessas cidades, e se estiverem certos, então eram cidades com construções magnificas. Foi também a civilização anterior ao diluvio, que desenvolveu a escrita, pictogramas foram os meios mais primitivos de escritas, e posteriormente desenvolveu-se a escrita cuneiforme, por isso pode-se concluir que o berço da escrita e da cultura se origina desse tempo.
Alguns supunham que havia tecnologia avançada no passado, creio que havia uma tecnologia e um conhecimento avançado, mas de outra forma. Pelas construções que os arquélogos descobriram, aquela civilização tinha bom gosto arquitetônico e algum conhecimento de engenharia, porém  é bom lembrar que a forma como era comunicada a forma escrita era bem primitiva: em tabuinhas de argila. Um conhecimento avançado em certas áreas, porem completamente alheia em outras. Imagine uma sociedade assim! Era mais ou menos isso o que podemos concluir da civilização antes do diluvio. A questão principal era a decadência moral, a corrupção do pensamento que afetava a ação, produzindo violência, injustiças e todo auge do mal teve o seu ápice naquela época. Assim, o desenvolvimento da civilização que foi o berço da humanidade, já em épocas primitivas sofria com um colapso moral devastador e sofreu o duro juízo divino. Que isso possa servir de advertência para a nossa geração moralmente corrompida.

Clavio J. Jacinto


Para conhecer algumas maquetes e ilustrações sobre cidades antediluviana acesse:
http://www.artefacts-berlin.de/en/uruk-visualisation-project-the-late-uruk-period/

Há tambem um museu virtual sobre esse assunto:

http://www.metmuseum.org

Dez Motivos Para Abandonar a Ansiedade

1- Não sejas ansioso por causa do amanhã. Viver p presente com sabedoria é uma grande oportunidade de confrontar o futuro com coragem
2- Se te abateres no desanimo, não poderás viver a liberdade plena que o presente concede como forma de crescimento espiritual.
3- Cultive sentimentos de esperança, porque essa ´a maneira mais simples de permaneceres corajoso dentro de teu coração
4- As inquietações por causa do amanhã roubam todas as nossas possibilidades de sermos felizes no momento presente
5- As mais profundas das chagas que assolam o coração do desanimado é a tristeza que prevalece por causa das incertezas do mundo. É preciso que  a luz do otimismo permaneça sempre acesa diante das mais duras adversidades da vida
6- A paz no coração não pode ser adquirida pela fartura de bens terrenos, porque a avareza é a mais voraz de todas as batalhas que arruínam a alma do homem.
7- Nosso coração precisa ser guardado de todo o mal, de outra forma, será o mal que dominará todo o nosso coração.
8- Alegre-se pelo dia de hoje, as tristezas do amanhã podem amadurecer e se transformarem em felicidade.
9- Podemos viver o hoje com as suas alegrias e tristezas, trágico é tentar viver o hoje com os problemas do amanhã
10- A sabedoria da vida consiste em viver cada momento como se fosse o fio condutor que ligasse o agora com toda uma eternidade

Clavio J. Jacinto

sábado, 18 de fevereiro de 2017

Niilismo cristão?


"A crise mais perigosa que enfrenta a igreja de Jesus Cristo hoje, é a penetração na mesma, de ideologias, crenças e costumes e doutrinas falsas" (Winston Medina)



Niilismo e a filosofia materialista dos que acreditam que tudo na vida se reduz a praticamente nada. O niilismo argumenta que as crenças religiosas são inúteis e portanto não tem qualquer sentido. Quando Paulo faz sua magnifica apologia a ressurreição de Cristo e dos santos, como ancora de esperança na vida cristã, face as dificuldades que a fé trazia no contexto cultural de sua época, ele declarou que se não existe ressurreição, ou esperança de vida eterna, então a filosofia que deve imperar é o comamos e bebamos porque amanhã morreremos (I Corintios 15:32 e todo o contexto). Pedro também fala sobre certo estilo de vida em que as pessoas se comportam como os animais irracionais, vivendo apenas pelo instinto natural (Veja II Pedro 2:12). Nas palavras de pedro se resumem na pratica a cosmovisão niilista.
Não havendo esperança além morte, tudo fica reduzido aos prazeres e dores de um universo  fechado, limitado apenas ao fenômeno da matéria e nada mais. Essa redução ao nada, fatalista e fria, pavimenta a consciência do homem para as mais terríveis formas de ver a vida, sem dar o valor espiritual a ela, perde-se no emaranhado de um materialismo calculista, fatalista, frio e tudo isso são os fios condutores do desespero. (Veja Judas 1:10)
Há uma convicção pessoal dentro do meu coração de que o niilismo está intimamente associado com o humanismo. Quando não há a a crença na existência em Deus, o ser consciente passa ser o centro da própria existência.  O homem não crê em Deus, passa de alguma forma a acreditar que é o centro existencial de um mundo fechado e mecânico, e isso é a forma mais grosseira de egoismo.

Como o niilismo sustenta a crença no nada, o prazer e a alegria passam a ser ancoras que sustentam a vida passageira. Aliás, dessa forma, aplaca-se as inquietações da alma com relação a consequências de ações e decisões. O niilista não se preocupa com coisas fora da matéria, não há juízo final, não há inferno, não há vida após a morte, não há consequência de pecados, por isso nenhuma irresponsabilidade tem reflexo na eternidade. Comamos e bebamos, porque amanhã morreremos. Essa é a essencial do niilismo.
Agora deixem me dizer, que há um niilismo cristão. Veja como as coisas podem ser definidas de um modo geral dentro da cristandade. A igreja ocidental sofre de um niilismo cronico. E podemos ver isso, na maneira como o materialismo e a vida confortável  é cultuada. Além disso, o homem tornou-se o centro na religião cristã moderna. Olhe para o modo como se interpreta a questão das bençãos divinas. Benção é prosperidade, dinheiro, conforto, saúde, carros, roupas boas, ausência de dificuldades etc. O contrario disso, pobreza, dificuldade, doenças, adversidades, sofrimento, dor, desemprego tudo isso seriam os sinais de que uma pessoa não é abençoada por Deus. A teologia moderna se ampara no materialismo para sustentar a fé em Deus. Isso é uma tremenda apostasia, uma renuncia pratica do ensino do  novo testamento.
Há em nosso meio a tendencia de centralizar o homem em todas as coisas e a conquistar o desfrute das alegrias desse mundo, como se na verdade fosse tudo o que existisse para o cristão. Esse humanismo está enraizado dentro da cristandade de tal forma, que ele, o homem tornou-se o centro do universo, e tem gerado uma geração de pseudo cristãos, que são na pratica niilista. Comer e viver, viver pelos instintos e pela satisfação de si mesmo. Assim corre-se desesperado atrás de impérios terrenos, sonhos materialistas flutuam no coração dessa geração. Não é de admirar que os profetas cristãos niilistas rejeite a mensagem da cruz e busquem amparo em textos descontextualizados do antigo testamento, muitos desses trechos, s ão promessas condicionais dados a Israel na antiga aliança, e sustentam toda a teologia do conforto e riquezas nesses trechos.
Não é de admirar que o homem tenha centralizado a si mesmo, focado o seu ser como o centro do universo.  Os hinos modernos,as mensagens dos púlpitos, são de homens para homens, por isso não é de admirar que até em fachadas de templos, as imagens de supostos lideres cristãos estejam estampadas. Não bastasse a projeção midiática a dar um  atributo de semi-deuses ungidos  aos profetas modernos, a  projeção de suas figuras se estende além púlpitos e plataformas, vivendo nas mais altas regalias e construindo impérios financeiros encima da mensagem do evangelho.
"“Tristemente, quando olho ao redor, vejo multidões de crentes que têm fé vencedora, porém não têm um desejo veemente de estar com Cristo. Em vez disso, têm os olhos fixos nas coisas deste mundo e em como obtê-las. Acho que tais pessoas não querem ouvir a respeito de como se fixar no céu ou afastar-se desse mundo. Para elas, tal mensagem significa uma interrupção da "boa vida" que desfrutam aqui”. (David Wilkerson)
Onde está a cruz de Cristo e os homens crucificados? Onde estão os homens que foram crucificados para o mundo, que não se amoldam a esse seculo, que sabem que não podem servir a Deus e a Mamom? Encontramos em nossa geração homens cujo o viver é Cristo e o morrer é lucro?
Tenho acompanhado os escândalos envolvendo pessoas que dizem ser cristãs, pastores bêbados que sobem em púlpitos para projetar seu niilismo perante uma plateia cega, sem discernimento. Cantores gospel que se vendem a custa de migalhas para poderem ter uma projeção nacional através dos palcos shows de  entidades “missionarias”.      Ou o caso do Pastor que matou a sua esposa para receber o seguro de vida dela.  O que é isso? São ações de gentes que querem comer e beber, se enriquecer e desfrutar do mundo e nada mais. Não creem esses indivíduos  numa vida após a morte, no juízo de Deus ou no inferno? , esses hipócritas religiosos não acreditam na vida após a morte, não acreditam na ressurreição, não acreditam que o homem morre e depois enfrenta o juízo (Hebreus 9:27) se tivessem uma crença ortodoxa saberiam que coisa horrenda é cair nas mãos do Deus vivo. São niilistas, projetando sua próprias paixões mundanas. Podem cometer toda especie de delitos e injustiças, porque na verdade não creem num acerto de contas com o Senhor.

Aquele fazendeiro cego, em que Cristo narra em uma parábola mostra a loucura de uma vida regalada encima de uma prosperidade terrena debaixo de uma vida efêmera: 
“E assim direi à minha alma: tens grande quantidade de bens, depositados para muitos anos; agora tranquiliza-te, come, bebe e diverte-te!” (Lucas 12:19)
Você nunca irá encontrar um profeta niilista, desses que encontramos aos montes em nossa sociedade, fazer exposição das dificuldades da fé, do preço do discipulado e da vida crucificada que não ama as coisas do mundo, mas que morreu para ele. A descrição de Paulo revela  natureza da verdadeira fé cristã pratica: “Irmãos, não desejamos que desconheçais as tribulações que atravessamos na província da Ásia, as quais foram muito acima da nossa capacidade de suportar, de tal maneira que chegamos a perder a esperança da própria vida. “ (II Corintios 1:8)
A vida cristã não se submete as filosofias vãs e sutilezas desse mundo profano, estejamos cientes de que o que se projeta hoje na cristandade não é um cristianismo bíblico, mas um cristianismo hedonista, centralizado no prazer e no conforto, nas festas e no interesse próprio e nada mais. Essa denuncia feita por Paulo contra toda a glamorosa apostasia dessa era é: amantes de si mesmos (II Timóteo 3:2)
Não há duvida de que da maneira como vimos a tendencia dos cristãos modernos, em  ir em uma busca fanática e desenfreado ao materialismo, riquezas e tesouros desse mundo, a adorar o prazer, a fama  o sucesso e o conforto como um estilo de vida dito abençoado, adotam não uma vida cristã autentica pautada pela cruz de Cristo, mas adotam apenas uma especie de niilismo humanista e positivista, pautada no prazer do aqui e o agora sem a minima preocupação em prestar contas  perante Deus por suas ações, comportamentos, convicções e decisões.

"A maioria dos Cristãos buscam um deus que alivie suas dores, não um DEUS que governe suas vidas" (Dale Ralph Davis)

CLAVIO J. JACINTO

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

POTESTADES DAS TREVAS O que é e como opera?






POTESTADES DAS TREVAS
O que é e como opera?

“O qual nos tirou da potestade das trevas, e nos transportou para o reino do filho do seu amor”(Colossenses 1:13)

Há um sistema operacional no nosso planeta, um poder espiritual que atua nos filhos da desobediência. Comumente chamado mundo, porém em certo aspecto, esse mundo, nunca deve ser entendido como se fosse o planeta terra, mas corretamente como um poder espiritual que tem seus reinos (Mateus ) e tem um autoridade de domínio sobre a cultura, as religiões e política e a filosofia e por toda a forma de espiritualismo e repousa  sobre a criação fora dos domínios do reino de Deus. Essa é a forma como devemos entender o que significa a potestade das trevas. A palavra grega é um substantivo feminino; Exousia. Que tem um amplo significado na área do domínio. Trata-se de uma autoridade com influencia moral e espiritual, escravizando, cegando e enganando todos aqueles que fazem parte de seu domínio e influencia. Todo o pecador se encontra debaixo dessa autoridade, todo o não regenerado está debaixo dessa influencia corrupta e caminha em direção do mesmo juízo que cairá sobre esse corrupto sistema. Quando o Salvador e Senhor veio a este mundo, o testemunho das escrituras é que “o povo que estava assentado em trevas, viu uma grande luz; E aos que estavam assentados na região e sombra da morte, a luz raiou”(Mateus 4:6 e 7) Essa região e sombra da morte, esse reino de escuridão espiritual, são características comuns da potestade das trevas.  A atividade anticristã, a operação das forças contrarias a verdade eram e ainda continuam influenciando a humanidade, essa potestade das trevas, essa autoridade de domínio foi percebida por Cristo, então Ele declarou através de sua percepção espiritual: “Mas esta é a vossa hora e o poder das trevas”(Lucas 22:53). A redenção é um drama espiritual de grande valor moral e posicional. Assim como na antiga aliança o povo é liberto por Moises do jugo de Faraó e dos poderes mágicos ocultistas do Egito, a redenção pela cruz de Cristo nos tira também de um império de domínio e influencia, e nos coloca na posição de nova criação, sob os aspectos legais da nova aliança, passamos a ser homens redimidos, o novo homem é criado em verdadeira justiça e santidade (Efesios 4:24)
Há uma saída, uma espécie de remoção espiritual, o homem que responde ao clamor da cruz, que se arrepende de seus pecados e passa pelo processo do novo nascimento, sai do reino das trevas, sai debaixo dessa autoridade, liberta-se dessa influencia das trevas, e passa para uma nova posição em Cristo, o redimido pelo sangue do Cordeiro passa a ser cidadão do reino de Cristo.
Essa autoridade ou potestade das trevas atua de diversas formas, mas seu campo de atuação maior é na alma, no coração do homem caído.  Cristo em seu ministério terreno deu muita ênfase sobre libertação, os judeus não entendiam isso. Na perspectiva judaica da época do Novo Testamento, os inimigos reais eram os romanos, estar debaixo da opressão das leis romanas era o que podiam enxergar,  como judeus, filhos da promessa, povo eleito, praticantes rigorosos de uma religião que se concentrava nos pormenores da lei, não havia qualquer percepção de escravidão espiritual. O povo que saiu do Egito no drama do exodo, sentiram as mãos fortes e tirânicas do Faraó, mas o jugo espiritual colocado nos ombros da alma humana pelos sistemas da autoridade das trevas, são insensíveis ao coração humano. Paulo perseguia a igreja e pensava que servia a Deus, não havia percepção espiritual, até que a luz de Cristo brilhou sobre ele no caminho de Damasco.
O rigor das ações e da operação do erro nesse reino de trevas, impedem suas vitimas de enxergar a verdade, as escrituras dizem que as pessoas dominadas pela autoridade das trevas estão mortas em  ofensas e pecados.  Os pecadores seguem um curso, seguem uma direção e estão debaixo da autoridade de potestades do ar, do espírito que agora opera nos filhos da desobediência (Efesios 2:1 e 2)
Há Sempre um lado invisível que é a fonte de todos os pecados, assim como Eva foi enganada na sua simplicidade, o método do engano tem sido eficaz por séculos. Não é admirável que Paulo advirta que a apostasia dos últimos dias esteja ligada a espíritos enganadores e doutrinas de demônios? Ora no lado físico, pregadores, escritores podem promover doutrinas antiblicas, mas há a fonte sobrenatural por trás dessas ações. Assim como na idolatria, Paulo fala que os idolatras se associam com os demônios, porque a idolatria tem conexão com o mundo espiritual caído dos demônios (I Coríntios 10:20) Essa autoridade das trevas, esse domínio escravizador também está associado com poderes sobrenaturais, como foi o caso dos gadarenos possessos que tinham uma força descomunal, ou ainda está associado com artes divinatórias, como no caso de uma moça que tinha um espírito de adivinhação  e incomodava a Paulo (Atos 16:16 a 21).
A potestade das trevas é um sistema de engano, cuja atuação é de modo invisível. O sistema interfere no mundo religioso para enganar. Hoje muitos parecem sentir-se bem com experiências místicas sem respaldo bíblico. A base do intento desses espíritos enganadores, dessas potencias do engano é tentar minar com a autoridade da Palavra de Deus. Há um paradoxo na fenomenologia da natureza do engano. O império das trevas consegue produzir luz. As escrituras advertem que satanás se transfigura em anjo de luz.(II Coríntios 11:14) como pode ser isso? Sendo potestades de trevas, como pode existir luz? Veja como a noite mergulha na escuridão. Embora lâmpadas se acendam em muitos lugares, não é uma lâmpada como o sol que dissipa toda a escuridão da noite. Uma lâmpada pode iluminar alguma coisa, porém não pode nunca exterminar com a escuridão noturna. Só o nascer do sol é capaz de dissipar todas as trevas. Assim Cristo é chamado de sol da justiça, porque tem a luz capaz de dissipar todas as trevas de um coração e libertar as almas do domínio da noite espiritual (Veja Malaquias 4:2)
Hoje muitas pessoas são enganadas, recebem experiências espiritualistas que lhes dão bons sentimentos, elas acreditam que experiências sobrenaturais agradáveis procedem de Deus, acreditam piamente que tendo experiências espiritualistas, então são escolhidas por Deus, êxtases e sentimentos agradáveis são considerados como conseqüências de um mover espiritual celeste. Milagres estupendos, sinais e maravilhas e outras manifestações sobrenaturais são provas definitivas de que DEUS está operando ou que é uma prova irrefutável de que a verdade pode ser estabelecida fora da autoridade das escrituras. Tais pessoas acreditam piamente que o mundo espiritual funciona assim. Puro engano. Nosso tempo é um tempo perigoso, a falta de discernimento é um grave sintoma de cegueira espiritual. Nesses últimos dias, caminhar sem discernimento é correr um grande risco de ser enganado de forma fatal. Porque o sistema operacional do engano atua na área da espiritualidade com muita eficácia, sinais e prodígios de mentiras, revelações do futuro, milagres extraordinários, tudo isso pode ter como matriz, o engano operacional no mundo das trevas. Os espíritos enganadores possuem autoridade para realizar tais coisas. É importante salientar que as trevas imitam os poderes da luz, veja o caso de Janes e Jambres (I Timóteo 3:8) eles resistiram a Moisés, usando poderes mágicos sobrenaturais para confrontar os sinais e maravilhas produzidos pelas mãos de Deus para confirmar a autoridade e a missão de Moisés.  
 Cristo pela obra da cruz nos chamou e nos libertou dessas influencias. Não podemos viver em santa luz e sermos enganados por esse sistema espiritual fraudulento. Porém há um descuido tremendo em nossos dias. O mundo religioso moderno vai a uma busca frenética por sinais e fenômenos espirituais. Porem não tem nenhum conhecimento bíblico equilibrado para descartar e repudiar tudo o que não procede de dentro de Deus.
Um dos sinais mais controversos do mundo do engano são as ambigüidades, ela é comum hoje no meio carismático.  Não há um fortalecimento da autoridade das escrituras por meio do misticismo ambíguo que presenciamos hoje em dia dentro da cristandade, pelo contrario a verdade é completamente solapada para que a experiência espiritualista tenha domínio e autoridade. É comum em nossos dias, e já presenciei muito disso, pessoas argumentarem uma fé cristã sem ao menos conhecer um versículo das escrituras, não conhecem as doutrinas fundamentais da fé cristã, na verdade são impulsionadas a rejeitarem as escrituras, sobre o pretexto inventado pelos próprios espíritos enganadores de que a “A letra mata” referindo-se as escrituras e seus ensinos como a “letra que mata” a bíblia é rejeitada e até odiada. Quais são as bases da autoridade espiritual então? Revelações, sonhos, projeções do consciente para criar ilusões e fantasias religiosas, pseudo-profecias ou artes divinatórias, manifestações psicológicas, êxtases hipnóticos, etc. Hoje em dia, geralmente quem consegue ter experiências dessas coisas é considerado como “ungido” ou “espiritual”.  Tem uma multidão pronta a acreditar em seus discursos e a defender com unhas e dentes tal homem. Seus sinais espiritualistas são as provas de que ele é um enviado especial.
Como um mundo invisível operando dentro do sistema caído (chamado nas  escrituras de mundo) essa potestade ou domínio de autoridade das trevas, vem trabalhando nos bastidores da existência da civilização por meio de toda a sorte de engano. Aqueles que se chegam a luz do evangelho conseguem sair desse sistema. Aliás, esse é um processo que começa do alto, daí a tese de que o novo nascimento é um nascimento do alto. A obra da cruz tem um poder libertador. Cristo é o nosso libertador.  Portanto ele diz que aquele que conhece a verdade também recebe a libertação por meio da verdade. Essa saída funciona como um novo êxodo, Não um êxodo mosaico, mas o próprio Cristo operando em nós essa libertação.
Essa é uma saída do sistema da potestade do ar, para opor-se a ele, lutar contra e ele e não se conformar com a sua filosofia, jamais devemos nos conformar com esse século.(Romanos 12:1 e 2) Há no mundo um falso cristianismo, ele é feito de uma forma um tanto oculta e sutil, com efeito, funciona da seguinte maneira: muitos tentam levar os valores cristãos e os princípios do reino de Deus para implantar lá dentro desse sistema operacional. Uma inversão do plano de Deus. A pratica das virtudes cristãs são  imputadas  com algum tipo de cosmovisão cristã por homens que vivem dentro desse sistema e que nunca saíram de lá, pois nunca experimentaram o poder de redenção e da ressurreição que vieram através da obra da cruz de Cristo. O resultado é um cristianismo mundano, uma replica do verdadeiro, porém falsificada. Dificilmente você vai encontrar coisas verdadeiras dentro desse pseudo cristianismo no que diz respeito a experiências espirituais, tudo o que se manifesta lá é muito parecido com o que encontramos no espiritualismo da nova era e movimentos esotéricos e espiritualistas ligados a tal movimento.

Quando Jesus afirmou ser a luz do mundo, ele afirmou com base de que o homem receba revelação pela obra da redenção que foi realizada na cruz do Calvário. É pelo sangue de Cristo que o homem recebe salvação libertadora. Aqui desejo ressaltar que a salvação dentro da perspectiva de Colossenses 1;13 tem sentido de salvação libertadora. Então a máxima de Cristo ganha seu sentido autentico: “Se o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres” (João 8:36). Liberto da potestade, redimido do poder das trevas, o homem  passa a andar na luz do evangelho, na presença de Cristo que é a luz do mundo. A verdade da fé cristã não tem realidade suprema se o homem primeiro não for redimido do poder dominador da potestade das trevas. Ele deve sair desse jugo, dessa escravidão, dessa escuridão, e aconchegar-se na Obra Redentora de Cristo. Enquanto que sob o domínio da autoridade das trevas o homem pecador é escravo do pecado, fora desse domínio das trevas o homem é santificado pelo sangue de Cristo e redimido pela morte e ressurreição de Cristo, para ser escravo da justiça que procede do evangelho.

Clavio J. Jacinto

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

As Aguas do Batismo Apagam Nossos Pecados?




A regeneração batismal é a doutrina de que o batismo nas águas tem efeito salvífico e regenerativo, alguns apelam para textos como Atos 2;38 João 3:5, Marcos 3;21 etc. Embora essas passagens pareçam apoiar tal doutrina, devemos sempre respeitar todo o contexto das escrituras com relação a doutrina da regeneração. O batismo não salva ninguém, porque a salvação não vem por obras humanas, mas através do salvador Jesus Cristo.(João 14:6 com Atos 4:29) essa declaração é uma ortodoxia pura e por si só já refuta a teoria doutrinal da regeneração batismal. Toda a economia da redenção está fundamentada no derramamento de sangue, não a imersão em águas. É o cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo (João 1:29) É Cristo quem leva nossos pecados no madeiro (I Pedro 2:24) Sem derramamento de sangue, não há remissão de pecados (Hebreus 9:22 com Levítico 17;11 ) O sangue de Jesus Cristo nos purifica de todo o pecado (I João 1:7).  Todo o Novo Testamento apoia-se na inauguração de uma Nova Aliança cujo fundamento é o sangue de Cristo que foi derramado no Calvário. Pedro ensina-nos em I Pedro 1:18 e 19 que não foi com coisas corruptíveis como prata ou ouro (matéria maculada pela queda) que fomos resgatados da nossa vã maneira de viver, mas com o precioso sangue de Cristo, como de um cordeiro imaculado e incontaminado(Corpo e sangue não maculados pela queda e pelo pecado).  Constitui-se um erro forçar certos textos das escrituras relacionados ao batismo nas águas, para minimizar a obra de Cristo na cruz. Ora o batismo tem  um efeito posterior a redenção, uma identificação com a morte e a ressurreição de Cristo. As águas batismais de nada valem, se elas mesmos não estiverem debaixo do poder e da autoridade do sangue redentor do Senhor Jesus Cristo. A realidade de todas as coisas espirituais é a pessoa de Cristo e a sua obra redentora, não os ritos e os processos litúrgicos. Esses últimos  devem estar debaixo dessa realidade que dá vitalidade e substancia a elas. Um salvo é visto no céu com os efeitos da redenção realizado pelo sangue de Cristo, a macula do pecado é purificada por esse sangue imaculado (Apocalipse 7:14) Que as águas do batismo apenas simbolizam o que Cristo fez na cruz, e que essa ordenança está sob os efeitos e os méritos do sangue do Cordeiro de Deus, o nosso Salvador Jesus Cristo, pode ser visto de forma clara em passagens como Apocalipse 1:5 “...Aquele que nos amou, e em seu sangue nos lavou de nossos pecados”.  Ainda em Efésios 1:7 lemos “Temos a redenção pelo seu sangue, a remissão dos pecados”. Esse é o testemunho universal das escrituras. O batismo por sua vez cumpre apenas o papel de simbolizar as realidades da redenção, e é dentro dessa cosmovisão que precisamos entender todas as ordenanças do novo testamento, Cristo é a realidade que dá vida a todas as coisas relacionadas a fé cristã.

DEUS abençoe a todos


Pr Clavio J. Jacinto

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

Livro: Cativos de um Conceito Sobre Testemunhas de Jeová

Livro Cativos de um Conceito, em espanhol é um livro que trata de um assunto necessário: Testemunhas de Jeová. Execelente abordagem da ilusão promovida pela torre de vigia. Fça o Download do livro acessando o link abaixo
http://examinandolawatchtower.blogspot.com.br/2010/04/libro-cautivos-de-un-concepto-en.html

Orgulho e Egoismo

O orgulho é uma grave enfermidade que se aloja em um coração que já estava adoecido pela enfermidade do egoismo

CJJ

O Dever Supremo

Ser cristão não mostrar ao mundo que somos alguém, mas mostrar a todos que zelamos pelo bom nome de Cristo

Clavio J. Jacinto

Esperança e Aflições

A esperança não pode desabrochar no coração que não teve seu chão cortado pelas laminas do arado das aflições

Clavio J. Jacinto

Destino e Providencia

Superamos a dor provocada pela indiferença alheia, o que faz com que a vida torne-se insuportável é é o desamparo do destino. A unica alternativa que nos resta é esperar na providencia de Deus.

Clavio J. Jacinto

terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

Como a Bíblia deve ser interpretada?



A biblia é um livro sagrado, com ensinos elevados. Acredito ser a biblia inspirado por Deus, inerrante, acredite na inspiração verbal de todos os 66 livros da biblia, como apresentada hoje nas versõesde João Ferreira de Almeida. Porém como abiblia deve ser interpetada?
Creio que a bíblia interpreta a própria bíblia, e devemos usar o método literal, conhecido como gramatico textual. Concordo com as palavras do Dr  John R Echob D.D. quando afirma: “A Bíblia deve ser interpretada literalmente em todo o sentido da palavra, desde Gênesis 1 até Apocalipse 22, temos que estuda-la tendo em conta que toda a escritura é a Palavra de Deus, infalivelmente inspirada e preservadas pelo Espirito Santo. Deus disse o que Ele quis dizer e o que quis dizer Ele disse” (1)
Assim entendemos que interpretndo-a de modo correto, iremos chegar a  conclusões corretas em todos os assuntos. Embora haja de fato passagens simbolicas, passagens dificeis e passagens inseridas no contexto cultural da epoca em que foram escritas, isso não interfere na interpretação gramatico textual. Até onde pude entender, foi Origenes o principal oponente desse metodo de estudar a biblia, ele foi o principal proponente da interpretação simbolica ou espiritualizada do texto sagrado, como certa obra atesta: “Origenes desenvolveu uma interpretação alegórica das Escrituras que herdou de Filo e Clemente e a colocou no centro de todo o seu metodo teologico. A Biblia não podia ser tomada literalmente, mas tina de ser compreendida como um mistério espiritual” (2)
O metodo gramatico textual compreende o sistema de interpretar as Escrituras como ela é, o que faz com ela torne-se acessivel para qualquer mente comum compreender os fundamentos da fé cristã. J. Dwight Pentecost adverte: “Parece que o propósito do metodo alegórico não é interpretar as Escrituras, mas perverter o verdadeiro sentido delas, embora sob o pretexto de buscar um sentido mais profundo ou mais espiritual”(3)
O metodo gramatico textual  se encaixa perfeitamente na ordem normal do proposito da revelação, assim como o povo da antiga aliança interpretava a Torá, de forma literal compreendendo as leis e os mandamentos e os ritos de forma literal, tambem o povo da nova aliança interpreta o Novo Testamento e por fim todas as escrituras de forma literal, sempre respeitando os princpios e as regras hermeneuticas. Assim, posso concordar com J. Dwight Pentecost quando afirma: “ Obervar-se-á, assim, que o literalista não nega a existencia de linguagem figurada. Ele nega, todavia, que tais figuras devam ser interpretadas de modo que destruam a verdade literal pretendida pelo emprego das figuras. A verdade literal deve ser informada por meio dos simbolos.”(4)
Por esse motivo, o estudo da biblia seguea atenção dedicada, consagrando o coração e motivando o intelecto  a  conhecer a vontade de Deus para o homem, através da revelação das Sagradas Escrituras.

(1)    Lo Basico de la Profecia John R. Echob D.D.  Pag 1 –Herald of Hope, 2005
(2)    Fundamentos da Teologia Cristã-Organizado por Robin Keeley,pag 295- Editora Vida 2000
(3)     Manual de Escatologia –J. Dwight Pentecost- Pag 32- Editora Vida – 1999
(4)    Idem Pag 41


Autor Clavio J. Jacinto

Existiu Uma Raça de Gigantes Nos Tempos Antigos?

Existiu uma raça de gigantes nos tempos antigos?


A maioria das palavras hebraicas do antigo testamento traduzidos como gigantes, não significam absolutamente isso, elas podem ter um significado variado, como uma pessoa forte, de destaque, valente, corajosa etc. O termo mais comum é "nephilim", que vem do vocábulo "nafal", e significa “caído”. Há muita polemica envolvendo o assunto sobre a origem desses supostos gigantes.

As escrituras mencionam algumas raças que supostamente se associam com gigantes, anaquins,Emins, zanzumins etc. Talvez os anaquins sejam os mais destacados, pois eles habitavam a região da terra prometida. Os filhos de Anaque foram descritos pelos espias de Israel como uma raça de homens de grande estatura, de tal modo que os israelitas foram comparados como gafanhotos diante deles. (Veja Números 13). Outra menção sobre uma suposta raça de gigantes está associada a Golias (Veja I Samuel 17) esse homem tinha aproximadamente 2,72 metros, o que deve ser considerado como um homem realmente alto. Por isso indiretamente temos vestígios de que existiam algumas raças de altura proporcional nos tempos antigos.  Não sabemos qual a causa desse aparecimento de gigantes, aliás encontramos uma descrição de deformação genética em II Cronicas 20:6  onde o autor do livro inspirado menciona um homem de grande estatura e tinha seis dedos em cada mão e em cada pé (I Cronicas 20:6). Por essa passagem podemos deduzir que os gigantes eram frutos de uma degeneração genética, porém é uma questão de pressuposição. Que existiam pessoas de grande estatura no antigo testamento com deformações genéticas, não há duvida nenhuma, porque o livro sagrado assim descreve.  Até bem pouco tempo atrás viveu na Tailândia um homem chamado Pornchai Saosri, que tinha 2,69 metros de altura. Uma estatura muito próxima ao de Golias. Um americano, chamado de Robert Wadlow (1918-1940) é considerado a pessoa mais alta que já existiu nos tempos modernos, com 2,72 metros. Nesse caso, uma altura idêntica a de Golias, o que dá um crédito irrefutável para a veracidade das narrações bíblicas relacionadas a homens de grandes estaturas como os filhos de Anaque e outros.
Robert Wadlow

Pornchai Saosri 



Clavio J. Jacinto

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

A Perversão da Fé (II Timoteo 2:18)



Uma das declarações mais claras de Paulo é que a fé ortodoxa de um cristão pode ser pervertida por falsos ensinos. A palavra grega no texto de II Timoteo 2:18 que foi traduzido como perverter é “Anatrepousin” significa literalmente destruir, arruinar, tornar-se inútil. Paulo no contexto cita o nome dos propagadores das heresias destruidoras (Pedro também adverte sobre a destruição causada por heresias promovidas por pregadores falsos que se infiltrariam na comunidade cristã. II Pedro 2:1) Himeneu e Fileto ensinavam doutrinas errôneas na comunidade apostólica, e a conseqüência disso, foi a ruína da fé de alguns.  O texto é claro. Paulo revela o nome desses promotores de vandalismo espiritual, Himeneu e Fileto. Tais pregadores promoviam a ruína espiritual através de suas heresias. Anos de fé, e sempre vejo que a maioria esmagadora dos cristãos não dá importância para a sã doutrina. Poucos possuem um conhecimento básico das doutrinas cristãs, são presas fáceis das mais terríveis e perversas heresias. A fé de muitos naufraga, mas os mesmos não percebem o perigo que envolve a aceitação de erros doutrinários. O efeito de doutrinas falsas é muito grande, é devastador.
Paulo afirma que Himeneu e Fileto, desviaram-se da Fé, e estavam pregando ensinos heréticos a respeito da ressurreição.  Usando uma terminologia muito severa a respeito dos efeitos dessas falsas doutrinas, o apostolo diz que  as palavras desses dois falsos doutores, tinha o efeito de uma gangrena que corrói a carne humana.  Essa é uma figura mundo extrema, Paulo está dando ênfase sobre o perigo das falsas doutrinas, as heresias e falsos ensinos, corroem como gangrena. Um efeito tão devastador deveria levar cada cristão a uma precaução muito grande. Porém os falsos  doutores, as mais terríveis heresias circulam no meio cristão, e pasmem! Quem financia essas hereges, senão os cristãos sem percepção espiritual. Pelo fato dos falsos pregadores se revestirem com a mesma roupagem dos verdadeiros (esses últimos são raros em nosso meio) Circulam livremente onde não existe discernimento. Enquanto que Paulo tem uma reação de repulsa e rejeição com relação aos ensinos de Himeneu e Fileto, hoje, além dos falsos pregadores ensinam suas doutrinas falsas no meio cristão, alguns opõem-se contra os mais sinceros que querer expor os erros e os desvios doutrinários de muitos falsos profetas. Afirmam que não é ético ou politicamente correto expor nomes e denunciar aqueles que pregam erros doutrinários. Com o pretexto de que não podemos “tocar os ungidos de Deus” Ora, só o deus desse século é que pode ungir seus pregadores para proclamaram heresias de perdição e doutrinas de demônios (I Timóteo 4:1) Deus não capacita, e isso seria um ultraje, uma afronta ao Espírito Santo, afirmar que um pregador é ungido e cheio do Espírito Santo para promover doutrinas, com efeito, gangrena. Destruir a fé, desviar as almas da sã doutrina e fazer a fé naufragar.
Não é em vão que Paulo admoeste com as mais dignas palavras em II Timóteo 2:15, que o obreiro aprovado precisa manejar bem a palavra da verdade. De outra forma, a fé dos ouvintes irá ser destruída, se o pregador não tem um domínio completo das doutrinas centrais da fé cristã, e não faça uma boa hermenêutica do texto sagrado, para construir um sermão encima das verdades bíblicas contextualizada, usando uma excelente exegese, ele não promoverá  vida espiritual, mas ele pode  promover gangrena espiritual.
Místicos modernos no meio cristão rejeitam o estudo sistemático das escrituras, e querem substituir a palavra escrita, por revelações extra-biblicas. Além de rejeitarem o conselho de Deus e o seu propósito em nos deixar o legado espiritual das santas escrituras como lâmpadas que nos conduzem por caminhos seguros (Salmos 119:105), afrontam o Espírito de Cristo que inspirou o texto sagrado e afirmou que toda a escritura é útil (II Timóteo 3:16) Afirmo com tristeza profunda no coração que conheço muita gente que Dá importância extrema a qualquer tipo de misticismo barato  e ignora ou despreza a palavra de Deus e escrita (Veja Provérbios 13:13)
A falsa doutrina tem o poder de corroer os fundamentos da fé.  Trata-se de um perigo, mas porque não há uma rejeição forte e decidida por tudo àquilo que não tem respaldo das escrituras ou diminui a sua autoridade? Enquanto que Jesus mesmo diz que a palavra de Deus é a verdade (João 17:17) e Paulo testifica que toda a escritura é inspirada (II Timóteo 3:16) não é pequena a parcela de cristãos, se é que realmente são de fato cristãos, que buscam revelações místicas provenientes de sonhos, êxtases e experiências místicas.
Himeneu e Fileto tinham uma “nova revelação” a ressurreição como os apóstolos ensinaram não estava correta. Havia ouvintes, sempre há pessoas descuidadas, que não prezam pela sã doutrina, que amam as novidades. Em outras partes das escrituras encontramos os estragos feitos por falsos pregadores em diversas comunidades cristãs. Em Tiatira, os cristãos toleravam uma certa Jezabel  que ensinava erros doutrinários e enganava os ouvintes (Apocalipse 2:20) Pergamo tolerava os que pregavam a doutrina de Balaão( Apocalipse 2:14) A igreja de Efeso tolerava a doutrina dos nicolaitas (Apocalipse 2: 6 e 15) Todas foram repreendidas por Cristo, tinham rachaduras e falhas no sistema teológico, porque toleravam falsos ensinos. Paulo fala a Tito sobre pregadores que ensinavam o que não convém por torpe ganância (Tito 1:11) e então exorta a Tito a pregar a sã doutrina(Tito 2:1)
Ouvir pregadores heréticos, que não manejam bem a palavra da verdade, é conduzir a sua alma ao naufrágio da fé. Os ventos de doutrinas falsas afastam o coração do homem do verdadeiro evangelho. Talvez esses fatos sejam imperceptíveis agora, porque o engano corrompe a sensibilidade espiritual. Uma das estratégias do diabo é usar táticas de enganos sem que a vitima esteja apercebida disso. Então ele cria todo um ambiente pseudo espiritual, com sentimentos e êxtases agradáveis, para assim ludibriar suas vitimas.
Milhões de pessoas são enganadas, bebem leite racional falsificado, ao invés de beberem das fontes da Palavra de Deus. Nunca devemos beber de  leite espiritual diluído, ou seja ,a verdade com a mentira. Esse é um ingrediente venenoso que tem causado estragos eternos e arruinado muitas almas, repito, é um ingrediente espiritual venenoso, a verdade do evangelho diluída com as heresias e filosofias humanas e revelações místicas extras bíblicas.
Se é importante que o pregador esteja comprometido a pregar a sã doutrina, então mais essencial  é que os verdadeiros cristãos estejam comprometidos a ouvir a sã doutrina.

Isso é de suprema importância, talvez a simples ignorância sobre esse assunto, leve muitos ao descuido de não tomar um extremo cuidado com o assunto do ensino correto e ortodoxo, tais poderão ter a vida espiritual devastada, e pior de tudo, é que terão percepção desse estrago, quando o naufrágio da alma esteja já tocando o fundo da escuridão do erro,”Acautelai-vos, que ninguém vos engane”(Mateus 24:4)

Clavio J. Jacinto

Footer Left Content